Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'Caravanas', de Chico Buarque: Mais nove canções

Livros e discos

As regras não mudam. E cada novo disco do músico carioca Chico Buarque é, ainda, um acontecimento no grande planeta da MPB. Como este Caravanas, composto por nove canções

'Caravanas' foi editado, em disco, no Brasil no final de agosto com a marca da editora Biscoito Fino. A Portugal chegou, entretanto, nas plataformas de streaming

'Caravanas' foi editado, em disco, no Brasil no final de agosto com a marca da editora Biscoito Fino. A Portugal chegou, entretanto, nas plataformas de streaming

Algumas crónicas a acusarem Chico Buarque de ser um homem datado e machista e infinitas discussões nas redes sociais serviram como a publicidade que um disco novo do dono dos olhos azuis mais célebres da música popular brasileira não precisa. E entretanto, a caravana passa, cantando coisas de amor e do mundo. Caravanas é o 38º álbum de estúdio de Chico Buarque, 73 anos. O primeiro saiu há mais de 50, em 1966, com canções como A Banda ou Olê, Olá. Mais de meio século (e um salto do vinil até ao Spotify) não significa uma revolução no trabalho musical do carioca. E isso faz dele mais um clássico poderoso do que um artista datado.

Nas nove novas canções há algumas referências claras ao passado e mesmo uma revisão da matéria dada. Um bom exemplo dessa ponte entre vários tempos é Dueto, lançada originalmente no disco Com Açúcar, Com Afecto, de Nara Leão, em 1980. Agora, Chico recupera a sua canção em dueto com a neta, Clara Buarque, e termina num divertido despique enumerando, com sotaque, novas formas de nos aproximarmos: “Consta no Google, no Twitter, no Face, no Tinder, no WhatsApp, no Instagram, no email, no Snapchat, no Orkut, no Telegram... no Skype”. Também a terceira faixa, A Moça do Sonho, renasce na voz de Chico tendo sido já cantada por Maria Bethânia. Depois há praia (Massarandupió, na costa da Bahia), há futebol (“E ver rolar a pelota nos pés de um moleque/ É ver o próprio tempo num relance/ E sorrir por dentro”, em Jogo de Bola), há uma letra em castelhano (no bolero Casualmente, com música de Jorge Helder), há mulheres (Blues Pra Bia, e a história de amantes de Tua Cantiga...). Nada de novo, tudo de novo. Contas feitas, é uma bênção (ainda) haver canções de Chico Buarque por ouvir.

Ouça aqui As Caravanas, uma das canções de Caravanas