Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Ideias para ser feliz

Visão Se7e

  • 333

Um calendário online com mensagens para todos os dias do ano

Decidimos partir do lado do Monsanto. O carro ficou estacionado no parque perto do Bairro da Serafina. Este é uma das portas de entrada do Parque Florestal do Monsanto, onde se iniciam diversos caminhos pedonais e cicláveis em direção à mata. Um, dois, três, aqui vamos nós!
1 / 8

Decidimos partir do lado do Monsanto. O carro ficou estacionado no parque perto do Bairro da Serafina. Este é uma das portas de entrada do Parque Florestal do Monsanto, onde se iniciam diversos caminhos pedonais e cicláveis em direção à mata. Um, dois, três, aqui vamos nós!

Passamos o viaduto sobre as linhas de comboio que fazem a ligação entre Lisboa e Sintra, e a outra margem, através da ponte sobre o Tejo. Ao fundo, as torres das Amoreiras espreitam na linha do horizonte.
2 / 8

Passamos o viaduto sobre as linhas de comboio que fazem a ligação entre Lisboa e Sintra, e a outra margem, através da ponte sobre o Tejo. Ao fundo, as torres das Amoreiras espreitam na linha do horizonte.

Máquinas e homens a trabalhar. A reconversão da Quinta do Zé Pinto num parque urbano está em marcha: construção de um parque infantil, um circuito pedonal, uma zona de produção agrícola e um núcleo pedagógico. E ainda a criação de bacias de infiltração e retenção de água, que têm como objetivo ajudar a salvaguardar Alcântara das cheias.
3 / 8

Máquinas e homens a trabalhar. A reconversão da Quinta do Zé Pinto num parque urbano está em marcha: construção de um parque infantil, um circuito pedonal, uma zona de produção agrícola e um núcleo pedagógico. E ainda a criação de bacias de infiltração e retenção de água, que têm como objetivo ajudar a salvaguardar Alcântara das cheias.

A ciclovia segue junto às obras, sendo depois interrompida pela Rua de Campolide. Por isso o caminho faz-se pela passadeira.
4 / 8

A ciclovia segue junto às obras, sendo depois interrompida pela Rua de Campolide. Por isso o caminho faz-se pela passadeira.

Uma pequena subida leva-nos até aos Jardins de Campolide. Em março passado, por ocasião dos 50 anos da Amnistia Internacional e dos 30 anos da Amnistia Internacional Portugal, a Câmara de Lisboa deu-lhe novo nome. Na horta urbana, constituída por 11 talhões, crescem, à primeira vista, couves, alfaces, hortelã, cebola de inverno e malaguetas.
5 / 8

Uma pequena subida leva-nos até aos Jardins de Campolide. Em março passado, por ocasião dos 50 anos da Amnistia Internacional e dos 30 anos da Amnistia Internacional Portugal, a Câmara de Lisboa deu-lhe novo nome. Na horta urbana, constituída por 11 talhões, crescem, à primeira vista, couves, alfaces, hortelã, cebola de inverno e malaguetas.

Uma aranha gigante serve de brincadeira para crianças.
6 / 8

Uma aranha gigante serve de brincadeira para crianças.

No Quiosque d'Avó, João Braz serve sopa do dia, pregos, bifanas, hambúrgueres, tostas, etc. Espera que as notícias sobre o Corredor Verde tragam mais gente. «Outro dia apareceram aqui dois senhores que moram há 40 anos na rua do Instituto de Oncologia e não conheciam o espaço. É preciso colocar uma placa a indicar o jardim», apela.
7 / 8

No Quiosque d'Avó, João Braz serve sopa do dia, pregos, bifanas, hambúrgueres, tostas, etc. Espera que as notícias sobre o Corredor Verde tragam mais gente. «Outro dia apareceram aqui dois senhores que moram há 40 anos na rua do Instituto de Oncologia e não conheciam o espaço. É preciso colocar uma placa a indicar o jardim», apela.

Medronheiros, folhados, alfarrobeiras e oliveiras compõem o espaço verde. O caminho de bicicleta faz-se pela direita, onde foi instalado um circuito de manutenção ao ar livre.
8 / 8

Medronheiros, folhados, alfarrobeiras e oliveiras compõem o espaço verde. O caminho de bicicleta faz-se pela direita, onde foi instalado um circuito de manutenção ao ar livre.

A felicidade pode ser "ler Os Maias", "comer com pauzinhos", "procurar um amigo de infância", "saborear um banho de espuma" ou "mascarar-se de super-herói".

São 365 definições, uma para cada dia do ano, das mais arrojadas às mais simples. Sugestões sem idade, lançadas por maiores de 65 anos, que responderam ao desafio da Encontrar-se, uma instituição de apoio a pessoas com doença mental grave, que promove o envelhecimento ativo.

Durante 2013, as mensagens serão partilhadas, virtualmente, no site e na página do Facebook do projeto Felicidário. O calendário/ dicionário, feito em parceria com a agência de publicidade Lintas, conta com a colaboração de 12 ilustradores: Afonso Cruz, André Letria e Ricardo Henriques, André da Loba, Aka Corleone, Bernardo Carvalho, Carolina Celas, Irmão Lúcia, Júlio Dolbeth, Madalena Matoso, Maria Imaginário, Tiago Albuquerque e Yara Kono.

Pontualmente, serão leiloadas algumas das ilustrações e a receita será aplicada na concretização dos desejos dos idosos participantes. Uma versão em papel do Felicidário também está pensada para 2014.