Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Este escritório é meu! E dos outros freelancers também...

Visão Se7e

  • 333

Qualquer um pode trabalhar na Lexo, em Matosinhos. Basta alugar uma secretária no novo espaço de coworking do norte do país

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.
1 / 8

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.
2 / 8

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.

Tomás Alcaide - Para além da voz magnífica, o tenor português ficou conhecido pela qualidade dos fatos que usava em cena e que ele próprio comprava. Nesta foto, a sua caixa de maquilhagem, pertença do Museu do Traje.
3 / 8

Tomás Alcaide - Para além da voz magnífica, o tenor português ficou conhecido pela qualidade dos fatos que usava em cena e que ele próprio comprava. Nesta foto, a sua caixa de maquilhagem, pertença do Museu do Traje.

Trabalho minucioso - Detalhe do traje de cena Lohengrin.
4 / 8

Trabalho minucioso - Detalhe do traje de cena Lohengrin.

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
5 / 8

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
6 / 8

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.
7 / 8

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.
8 / 8

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.

Por detrás da Lexo Coworking estão três pessoas duas irmãs, Luísa e Marta Pessanha Mascarenhas, e Francisco Cruz, marido de Luísa. Começamos por eles, para dizer que, dos três, dois são trabalhadores freelancers. Um dado que faz toda a diferença nesta história...

Quando compraram, na zona antiga de Matosinhos, uma casa de habitação de 1944, ainda não sabiam o que iriam fazer com ela. Mas não foi difícil chegarem à ideia de transformá-la num local de coworking.

Francisco, que é designer, e Marta, investigadora e tradutora, sabem bem a dificuldade de, trabalhando em casa, "traçar uma divisão entre o espaço doméstico e o espaço de trabalho", diz ela. Lembraram-se, então, de criar o que acham que é uma "tendência" dos tempos que correm: um local de trabalho partilhado.

Nos dois andares da casa que restauraram, na qual a luz entra em abundância, alugam secretárias ao dia, à semana ou ao mês. Um pack de cinco dias, com validade de três meses, custa 40 euros; o aluguer mensal (cinco dias por semana) fica por 100 euros e, por mais 90 euros, dão acesso ilimitado ao espaço e a todos os serviços.

O ambiente é motivador. O restauro foi fiel ao passado do edifício - mantiveram o soalho original, o corrimão, as maçanetas e as bandeiras das portas, os tetos trabalhados à volta dos candeeiros, o mosaico hidráulico...

Além da clássica sala de refeições, há uma pequena cozinha, uma sala decorada com algum mobiliário vintage e até um terraço. O que se pretende, dizem os donos da Lexo, é que haja cooperação entre as pessoas que ali trabalham. Luísa sabe que "acabam por se criar projetos entre os diferentes profissionais e funcionar quase como se fosse uma empresa".

E, claro, não falta uma boa multifunções e internet de grande velocidade. Tudo, "com a vantagem de não estar preso a um contrato de arrendamento", frisa Francisco. Em alguns fins de semana, haverá workshops de temáticas várias. Para o antigo armazém de peixe do rés do chão, ainda por recuperar, não faltam projetos, como criar uma galeria de arte e um espaço para concertos.

LEXO COWORKING R. Roberto Ivens, 279, Matosinhos T. 91 812 7970. Seg-sex 9h30-19h30 €8-€190 www.lexo.pt