Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Uma escapada no Douro? 5 hotéis para conhecer a mais antiga região demarcada do mundo

Escapar

Enquanto as uvas amadurecem nas videiras, e antes que cheguem as vindimas, aproveitem-se os dias grandes e o bom tempo para passear pelo Vale do Douro. Eis cinco propostas de hotéis na região Património Mundial da UNESCO

Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo, em Covas do Douro, Sabrosa

Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo, em Covas do Douro, Sabrosa

Há muito para conhecer na Região Demarcada do Douro, a mais antiga do mundo (criada por Marquês de Pombal em 1756), onde o rio serpenteia os vales dominados pelas vinhas e pelo xisto. Antes da chegada das vindimas, que devem acontecer entre meados de agosto e setembro, parta-se à descoberta desta região Património Mundial da UNESCO, onde se chega de carro, comboio ou barco.

Na margem esquerda do rio Douro, entre Folgosa e o Pinhão, às portas de Armamar, o Vila Galé Douro Vineyards é o mais recente agroturismo da região. Empoleirado sobre os rios Douro e Tedo, na Quinta do Val Moreira, o edifício contemporâneo acolhe sete quartos, uma loja de vinhos, restaurante, adega subterrânea e biblioteca. Sem esquecer a piscina exterior e a paisagem de socalcos a perder de vista.

Foi ali próximo, também entre a Régua e o Pinhão, que o Esporão abriu, no ano passado, o seu primeiro projeto de enoturismo da zona norte: a Quinta dos Murças. No meio da vinha, a casa que foi outrora moradia de uma família, tem agora cinco quartos (para dez pessoas) decorados com episódios da vida no campo, além de uma adega com provas de vinhos e uma cozinha com gastronomia local.

No Pinhão, junto à ponte projetada por Gustave Eiffel no século XIX, o The Vintage House, o primeiro hotel de cinco estrelas da região vinhateira, merece também uma visita demorada. Seja pelos 50 quartos com uma decoração que mistura o clássico com o contemporâneo, seja pela piscina exterior ou pelos jardins, sempre de olhos postos no rio Douro, para onde se pode partir em viagem num dos barcos ali atracados.

Atravesse-se a vila do Pinhão, na margem direita do rio Douro, e percorram-se oito quilómetros rumo à Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo, uma das mais antigas da região, com 120 hectares de terreno. São muitos (e bons) os motivos para uma visita. Aos 11 quartos da antiga casa senhorial, acrescente-se o restaurante onde se usam ingredientes locais a piscina exterior com vista para as vinhas, a adega, o museu, a capela (de 1795), e os três percursos pedestres pela vinha.

Em Sabrosa, já na estrada para Lamego, originalidade é o que não falta às dez barricas gigantes de vinho que a Quinta da Pacheca transformou em alojamento. As Wine Barrels, com nomes de castas do Douro, incluem um deck com cadeiras viradas para as vinhas e uma claraboia no interior – ideal para observar as estrelas à noite. Uma última nota: o pequeno-almoço é deixado à porta, todas as manhãs. Perante tudo isto, o que mais se poderá pedir?