Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Nas casas Traços d’Outrora, quase tocamos as estrelas

Escapar

Do ponto mais alto da aldeia de Trebilhadouro, em Vale de Cambra, encaixada nos socalcos da serra da Freita, avista-se o mar e a ria de Aveiro. Aqui, a natureza faz-se ouvir

A Rosalina é a maior das quatro casas (tem quatro quartos) da Traços d'Outrora, que conta ainda com a casa Matilde, a Custódio (ambas T1) e a Paço de Mato (T2 com suíte)
1 / 4

A Rosalina é a maior das quatro casas (tem quatro quartos) da Traços d'Outrora, que conta ainda com a casa Matilde, a Custódio (ambas T1) e a Paço de Mato (T2 com suíte)

Lucília Monteiro

A aldeia de Trebilhadouro foi distinguida em 2015 com o prémio de reabilitação pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana
2 / 4

A aldeia de Trebilhadouro foi distinguida em 2015 com o prémio de reabilitação pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana

Lucília Monteiro

Para as casas da Traços d’Outrora, procuraram-se móveis e objetos antigos
3 / 4

Para as casas da Traços d’Outrora, procuraram-se móveis e objetos antigos

Lucília Monteiro

Da janela panorâmica sobre o vale, avista-se 
o mar e a ria de Aveiro
4 / 4

Da janela panorâmica sobre o vale, avista-se 
o mar e a ria de Aveiro

Lucília Monteiro

O verde abunda nestes socalcos que, protegidos do vento, vale a pena desbravar. As árvores, ainda despidas, deixam à vista os caminhos e as casas de granito. A 625 metros de altitude, o ar da serra da Freita, em Vale de Cambra, quase obriga a encher o peito.

Rodeada de espigueiros e de campos de cultivo, eis que aparece a aldeia de Trebilhadouro, distinguida em 2015 com o prémio de reabilitação pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana. O último habitante deixou a aldeia vai para 20 anos, mas um projeto turístico reabilitou-a de forma serena, quase invisível, e a natureza fez-se ouvir. Outra vez e com gente. É certo que não vai conversar com o Custódio, a Matilde ou a Rosalina, no entanto, será na casa destes antigos moradores que irá ficar.

São quatro, as habitações da Traços d’Outrora, a empresa criada por Isabel Fonseca para não deixar fugir esta aldeia cheia de histórias. “Sempre tive paixão por peças antigas e por restauro”, conta Isabel, que apenas pretendia uma casa de férias para a família e, com o marido, acabou por comprar quatro. “Queríamos conservar as memórias de outros tempos.” Daí ter procurado móveis e objetos antigos que podiam muito bem ter sido usados pelos primeiros proprietários.

Estamos na casa da Rosalina, a maior, com quatro quartos, distribuídos por dois pisos. 
E, num piscar de olhos, regressa-se a casa da avó, com decoração dos anos 50: chão em cimento vermelho, toalhas de renda, pratos floridos nas prateleiras, fotografias de casamento, tetos revestidos a madeira, mantas de trapo no chão. Nos quartos, há camas de ferro, colchas brancas, mesinhas de cabeceira de madeira com panos de renda e grandes espelhos. Se se optar por ir em família, convém reservar o quarto do primeiro andar: tem lareira, sofá e alguns livros, mas será a janela panorâmica sobre o vale que o vai fazer suspirar. Com a natureza a seus pés, “avista-se 
o mar e a ria de Aveiro”, observa Isabel.

Além 
da casa Rosalina, a Traços d’Outrora tem 
a Paço de Mato (T2 com suíte), a Matilde e o Custódio (ambas T1). A natureza entra sem cerimónia nestas habitações de pedra à moda antiga e, se estiver bom tempo, à noite, dali, remata Isabel, “quase tocamos as estrelas”.

Traços d’Outrora > Trebilhadouro, Rôge, Vale de Cambra > T. 91 879 5674 > €60 a €200 (pequeno-almoço incluído)