Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

É nas paredes que se gritam as novas palavras de ordem

Visão Se7e

Quase 40 anos depois do 25 de Abril, já não são os grandes murais coloridos que arrancam do povo o que lhe vai na alma. Andámos por Lisboa à procura das novas palavras de ordem

"Muros brancos, povo mudo" - Calçada do Duque
1 / 10

"Muros brancos, povo mudo" - Calçada do Duque

"I work to buy a car to go to work" - Calçada do Duque
2 / 10

"I work to buy a car to go to work" - Calçada do Duque

"E quando não tiveres o que comer?" - Rua do Pátio do Tijolo
3 / 10

"E quando não tiveres o que comer?" - Rua do Pátio do Tijolo

"2012 Revolução. Love war" - Travessa do Conde de Soure
4 / 10

"2012 Revolução. Love war" - Travessa do Conde de Soure

"A Ditadura é um facto, a revolução é um direito" - Travessa do Conde de Soure, entre a Rua de S. Boaventura e a Rua Nova do Loureiro
5 / 10

"A Ditadura é um facto, a revolução é um direito" - Travessa do Conde de Soure, entre a Rua de S. Boaventura e a Rua Nova do Loureiro

Frederico Duarte, 34 anos, crítico de design, é membro do movimento Que se lixe a troika, «na ótica do utilizador». Às manifestações, leva sempre o mesmo cartaz, com uma frase de Camões: «Fraco rei faz fraca a forte gente».
6 / 10

Frederico Duarte, 34 anos, crítico de design, é membro do movimento Que se lixe a troika, «na ótica do utilizador». Às manifestações, leva sempre o mesmo cartaz, com uma frase de Camões: «Fraco rei faz fraca a forte gente».

"Procuram-se revolucionários" - Rua da Atalaia, na parede do mercado
7 / 10

"Procuram-se revolucionários" - Rua da Atalaia, na parede do mercado

"Vais ficar parado a olhar?" - Travessa das Salgadeiras, entre a Rua do Norte e a Rua do Diário de Notícias
8 / 10

"Vais ficar parado a olhar?" - Travessa das Salgadeiras, entre a Rua do Norte e a Rua do Diário de Notícias

"± SILÊNCIO ±" - Rua do Alecrim, em frente à Pensão Amor
9 / 10

"± SILÊNCIO ±" - Rua do Alecrim, em frente à Pensão Amor

"E agora?" - Travessa dos Teatros, junto à Rua António Maria Cardoso
10 / 10

"E agora?" - Travessa dos Teatros, junto à Rua António Maria Cardoso

Há 39 anos era diferente. Com a Revolução de Abril veio a exuberância, como conta Frederico Duarte no texto que publicou na edição de abril do jornal Lisboa Capital República Popular do Music Box Lisboa: "25 de Abril de 1974: a madrugada em que as paredes de Portugal ganharam uma nova voz. Ou melhor, uma imensa, caótica, plural e intensamente livre cacofonia de novas palavras, imagens e símbolos".

Frederico Duarte, 34 anos, é professor em Belas Artes e crítico de design. É um homem atento às palavras, às mensagens e à forma como estas se transmitem. Foi com ele que percorremos parte desta cidade, à procura das paredes que falam. Não é "a favor de grafittis", mas... "se as pessoas tiverem algo a dizer, devem usar essa arma de ilustração, as paredes". De preferência com o stencil, com o qual "se transmite um pensamento, não se marca um território." Um pensamento que vai poder ser replicado sem grande arte e ainda "contribui para a paisagem", diz.

Com esta sede de dizer, de protestar, a arte do stencil tem-se vindo a expandir. Mas também se está a voltar (ainda que timidamente) às artes tradicionais: os pincéis, as tintas e os cartões para fazer cartazes voltaram à rua, por exemplo, na grande manifestação de 2 de março. Nesse dia, o Marquês de Pombal foi ocupado por uma grande oficina popular (organizada à semelhança dos ateliers populaires do maio de 68) dinamizada pelo movimento Que se Lixe a Troika!, de que Frederico se diz membro, "na ótica do utilizador".

Homem do design, Frederico Duarte é um apaixonado pela forma como as coisas são ditas nos cartazes, nas paredes. Quis levar-nos até ao início da R. do Alecrim para mostrar o ± SILÊNCIO ± com que o designer Miguel Januário (sob o pseudónimo de ±) ocupou o primeiro andar de um prédio quase inteiro. ± tem ocupado o espaço público com mensagens monumentais, em adaptações de frases retiradas da memória coletiva: ± Perda Filosofal ±, ± Grândola Vila Corrupta, Terra da desigualdade ±, ± Orgulhosamente S.O.S. ±, ± Mudos os tempos, Mudas as vontades ±, ± Pague leve, leve mente ± ou ± Nação Doente e Imortal ± são alguns exemplos do que tem espalhado pelo País. Na R. do Alecrim, o ± SILÊNCIO ± tinha sido revestido com a assinatura de um qualquer graffiter. Frederico assim ficou: mudo.

Mas o silêncio foi passageiro. "As pessoas querem participar", garante. Só precisam, por vezes, de ajuda para "decidir o que dizer e como o fazer". E assim se criou um movimento de livre expressão pela cidade, onde se diz de tudo um pouco, onde há lugar para tudo. "Às vezes fala-se de ditadura e de revolução... e quem viveu a ditadura deve achar estas palavras exageradas". É "a hipérbole". Como ele, diz, quem escreve estas palavras não deve ter vivido o 25 de abril.

Hoje, acredita, a ideia de revolução "prende-se com o sentimento de que as pessoas estão a voltar a ocupar as ruas, a celebrar a rua; estão a redescobrir a rua como ponto de encontro de agentes políticos, cidadãos ativos" que são.