Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

A importância das linhas, na nova loja da Porventura, em Lisboa

Comprar

Inspirada pelo design nórdico, a Porventura cria peças de mobiliário que despertam o olhar e fazem pensar. A marca portuguesa tem agora uma loja em Lisboa

Em breve, a Porventura terá uma linha de acessórios. Enquanto a ideia não se concretiza, a loja conta com marcas parceiras, como a Sugo Cork Rugs (tapetes) e a Normo (iluminação).

Em breve, a Porventura terá uma linha de acessórios. Enquanto a ideia não se concretiza, a loja conta com marcas parceiras, como a Sugo Cork Rugs (tapetes) e a Normo (iluminação).

A primeira loja da Porventura, em Alcântara, inaugurou no dia 13 de setembro, mas a história desta marca portuguesa de mobiliário começa mais atrás, quando Filipe Ventura, 40 anos, decidiu largar os números – formou-se em contabilidade – e lançar-se na marcenaria e na decoração de interiores. “Desde muito novo que tive contacto com as artes. Em criança, vivi em Macau e na escola já tínhamos pintura, fotografia...”, conta Filipe. O móvel-bar que ocupa, discretamente, um lugar na loja foi a primeira peça construída por Filipe, depois de terminado o curso na Fundação Ricardo Espírito Santo Silva.

Na altura, produzia o que lhe apetecia no seu atelier na Graça, com ajuda do seu mestre, Vítor Castro, mas sem grande estratégia de negócio. A Porventura acaba por nascer em 2017, quando Miguel Soeiro, designer industrial, se junta à marca e, em conjunto, a fazem crescer. Quem entra na loja, vê isso mesmo: um portefólio mais alargado de peças de mobiliário – 17 no total, entre camas, mesas de sala, cadeiras, bancos, estantes... –, inspirado no design nórdico e fabricado em Portugal, em Paços de Ferreira. “Gostamos das formas mais simplificadas, é uma referência no nosso trabalho”, justifica Miguel Soeiro, autor de um dos artigos mais curiosos da Porventura, a secretária Torta.

O nome não engana, mas, à primeira vista, os desníveis entre as pernas desta secretária causam estranheza. A realidade mostra que é uma peça funcional e confortável, na qual se pode trabalhar horas a fio. “A ergonomia é essencial”, afirmam os sócios, “mas também queremos que cada um dos objetos mexa com o utilizador, o deixe a pensar”. Além de Filipe e Miguel, há outros designers a criar para a marca – Ana Rodrigues, Cátia Moura, a dupla Filipa Aguiar e João Pereira –, guiados pelas linhas simplificadas que distinguem a Porventura. Às cadeiras Icon, à mesa de sala Fenda ou à estante Rule, que encaixam em qualquer estilo decorativo, hão de juntar-se, no próximo ano, novas peças de mobiliário desenvolvidas por artistas da Coreia do Sul, Israel e Grécia. Sempre no estilo discreto, mas provocador, da Porventura.

Porventura > R. Prior do Crato, 1 D, Lisboa > T. 92 410 0061 > seg-sex 10h-19h, sáb 10h-14h