Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

NOL Joalheiros: Alfaiates preciosos

Comprar

A caminho de celebrar os 25 anos, a NOL, marca portuguesa de alta joalharia, abre uma loja no Chiado, em Lisboa. Sem perder a filosofia de sempre: fazer peças de arte únicas, à medida de cada cliente

À experiência em gemologia, a NOL acrescenta a vontade de arriscar, conjugando (como na coleção Uphondo) materiais orgânicos com materiais preciosos. “Não temos limites”, diz Nuno Pestana, um dos fundadores da marca

À experiência em gemologia, a NOL acrescenta a vontade de arriscar, conjugando (como na coleção Uphondo) materiais orgânicos com materiais preciosos. “Não temos limites”, diz Nuno Pestana, um dos fundadores da marca

Joana Luis

Como tantas vezes acontece no métier, a história da marca confunde-se com a própria história de Luísa Bernardes e de Nuno Pestana. Conheceram-se na adolescência, fizeram o curso de Alta Joalharia Tradicional da Escola António Arroio, aprenderam o ofício com os mestres do antigamente. Juntos, há quase 25 anos, criaram a NOL porque partilhavam mais ou menos as mesmas ideias. Entretanto, casaram-se e, hoje, aos 44 e 45 anos, respetivamente, continuam a transformar “sonhos” em peças de arte. Conforme explicam, fazem tudo à medida, acompanham todo o processo, do desenho à conceção, passando pela escolha dos materiais (dentro do orçamento que cada cliente tem disponível), fundição do ouro, lapidação, cravação das pedras. “É isso que é enriquecedor”, diz Luísa. “Não fazemos nada fora da empresa e, como fabricantes, não temos limites”, conta Nuno.

No Chiado, na Rua António Maria Cardoso, a loja abriu um março passado

No Chiado, na Rua António Maria Cardoso, a loja abriu um março passado

Durante muitos anos, Luísa e Nuno mantiveram-se a trabalhar na Lapa. O ambiente do atelier agradava-lhes porque lhes permitia atender os clientes de forma reservada. As peças da NOL (“não significa nada, são três letras mágicas”) continuam a ser produzidas nesse sítio que – muito a propósito, diga-se de passagem – eles descrevem como sendo “uma caixinha de joias”. Há três anos quiseram chegar a outros mercados (Inglaterra, Estados Unidos da América e América Latina) e, desde março, têm uma loja aberta no Chiado, no fim da Rua António Maria Cardoso. Pretendiam aproveitar a “fase boa de Lisboa e de Portugal” e, ao mesmo tempo, justifica Nuno, não queriam perder a perspetiva “intimista” do atendimento. Tal como um bom alfaiate, têm em arquivo os tamanhos dos dedos dos seus clientes mais habituais (e estes confiam neles de tal maneira que, por vezes, quando vão de férias, lhes deixam as peças mais valiosas à sua guarda). “Não impomos o nosso gosto, mas também não fazemos coisas de que não gostamos. As nossas peças têm de ser sentidas”, sustenta Nuno. À experiência em gemologia, acrescentaram ainda a vontade de arriscar, conjugando materiais orgânicos (ébano, âmbar, marfim…) com materiais preciosos (na coleção Uphondo). Além das peças únicas, por encomenda, agora estão também a produzir duas coleções por ano. E, em breve, lançarão uma coleção de lenços com artistas plásticos. Sempre em nome da arte.

Joana Luis

NOL Joalheiros > R. António Maria Cardoso, 39 D, Lisboa > T. 21 580 4760 (loja) e 21 343 3827 (atelier) > seg-sáb 10h30-19h30