Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Joalharia: Há engenho e arte nestas quatro novas lojas do Porto

Comprar

Com técnica e criatividade molda-se a joalharia contemporânea portuguesa. Nestas quatro novas lojas no Porto, há fios, anéis e brincos de prata, ouro, com pedras preciosas, gemas sintéticas e plástico reciclado

A nova Elements Contemporary Jewellery, na Rua das Flores, tem cinco andares, onde cabem o gabinete de design, o escritório, a loja propriamente dita e a Wedding Room, ligada à criação de peças personalizadas

A nova Elements Contemporary Jewellery, na Rua das Flores, tem cinco andares, onde cabem o gabinete de design, o escritório, a loja propriamente dita e a Wedding Room, ligada à criação de peças personalizadas

Restam poucas ourivesarias na Rua das Flores, mas era ali que, no século XIX, se concentrava o negócio do ouro e das joias no Porto. É num dos edifícios emblemáticos desta rua que abriu a Elements Contemporany Jewellery, marca de joias de luxo dos irmãos Marco e Nuno dos Santos, a celebrar dez anos de atividade. “É importante estar numa artéria com tradição, na cidade onde estamos sediados”, afirma Marco dos Santos. Mantém-se a fachada de ferro fundido, estilo Art Nouveau, o chão e o teto trabalhado.

Além de ser “uma belíssima caixinha de joias”, com luz natural e enquadramento histórico, a nova loja permite outra abordagem na forma de comunicar. “Aqui podemos proporcionar experiências reais”, frisam os irmãos, ambos formados em Gemologia e com família ligada ao ramo da ourivesaria. Na nova Elements das Flores, com cinco andares, sem elevador, cabem o gabinete de design, o escritório, a loja propriamente dita e a Wedding Room, ligada à criação de peças personalizadas, a pensar em datas e pedidos especiais. Porque esse, dizem os proprietários, é o maior desafio das marcas de luxo. E isso aplica-se também às joias antigas, de família, às quais é possível dar nova vida. “Há uma nova geração com vontade de usar as peças herdadas das avós.”

No piso de entrada, manteve-se o mosaico hidráulico, mudaram-se as vitrinas e há uma escada vermelha a rivalizar com as marcas de joalharia contemporânea de luxo, com representação exclusiva. Entre fios, anéis, pulseiras e brincos, encontram-se peças de António Bernardo, designer brasileiro que conjuga com mestria o abstrato e o lúdico, em formas originais com movimento; da alemã Niessing, cuja máxima é levar ao limite os materiais e as ideias; da francesa Lise Vanrycke; do joalheiro alemão Oliver Schmidt, que desenha joias minimalistas, de formas suaves e fluidas; e da Meister, marca de origem suíça que combina tradição e tecnologia em alianças e anéis de noivado. Além, claro, da Dos Santos, a marca de Marco e Nuno, que recorre a técnicas antigas da ourivesaria nacional de forma criativa. Todas as coleções cruzam o tradicional e o contemporâneo, trabalhando o ouro e a prata com algumas pedras preciosas, como esmeraldas, rubis e diamantes.

Brincos em prata dourada, do designer Ni Romiti, na loja The Jewellery Experience

Brincos em prata dourada, do designer Ni Romiti, na loja The Jewellery Experience

Curvas e ângulos perfeitos

É também com recurso à mestria de artesãos portugueses, mas “aliada à sensualidade do design carioca”, que os brasileiros Diogo Dalloz e Ni Romiti tentam seduzir os clientes numa loja-atelier de joalharia que convida à interação com os artistas. Aberta há dois meses, nas Galerias Lumière, a The Jewellery Experience não é só uma montra das coleções de ambos os designers, pois permite ver o fabrico das peças. “Todo o processo é feito à frente do cliente”, diz Diogo Dalloz, que desafiou Ni Romiti a juntar-se ao projeto.

A cumplicidade entre os dois joalheiros surge em peças intemporais, de linhas depuradas, de ouro e prata, com gemas naturais e sintéticas. “O nosso design tem sotaque brasileiro e muita curva, mas se não fosse a técnica portuguesa não poderíamos fazer estas peças”, admite Diogo. Algumas criações, da linha [in]complet, permitem mudar a forma e trocar a gema.

A Tincal Lab, de Ana Pina e Olga Marques, funciona como loja e oficina. Recentemente, mudou-se para o Centro Comercial Bombarda

A Tincal Lab, de Ana Pina e Olga Marques, funciona como loja e oficina. Recentemente, mudou-se para o Centro Comercial Bombarda

Lucília Monteiro

Foi para estar mais próximo dos clientes que a Tincal Lab, fundada pela joalheira Ana Pina e onde também trabalha Olga Marques, se mudou para o Centro Comercial Bombarda. Além de ser loja e oficina, organiza workshops, tem uma zona de coworking para joalheiros e é também galeria. “Já não é um lugar à porta fechada e há maior proximidade com o público”, diz Ana Pina. Além das suas peças minimais e geométricas, de ângulos perfeitos e formas modulares, na loja encontram-se expostos trabalhos de criadores de todo mundo, que responderam ao desafio de Ana Pina para uma coletiva inspirada no tema Joalharia e Tecnologia.

Na Inthependant Gallery, cada exposição conjuga a alta joalharia com o design

Na Inthependant Gallery, cada exposição conjuga a alta joalharia com o design

Lucília Monteiro

Irreverentes, ousadas e diferentes são as joias escolhidas por Cristina Roque dos Santos para expor na Inthependant Gallery, aberta há oito meses, também no Centro Comercial Bombarda. “Cada exposição conjuga a alta joalharia com o design”, explica a responsável, enquanto mostra as criações de Ana Fernandes, Jorge Manila, Joana Mieiro, Jordi Aparicio, Isabel Busnel e Yiota Vogli. Há colares de pérolas de silicone, anéis de plástico reciclado, alguns a lembrar esculturas, e pregadeiras de borracha de silicone. Para usar por aí e abrilhantar-nos a vida.

Elements Contemporany Jewellery > R. das Flores, 249, Porto > T. 22 319 2031 > seg-sáb 10h-19h > Inthependant Gallery > C.C. Bombarda > R. Miguel Bombarda, 285, Porto > T. 91 542 3030 > seg-sáb 12h-20h > The Jewellery Experience > Galerias Lumière > R. José Falcão, 157, Porto > seg-sex 10h-20h, sáb 11h30-20h > Tincal Lab > C.C. Bombarda > R. Miguel Bombarda, 285, Porto > T. 96 294 9333 > seg-sáb 12h-20h