Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Util: Uma família nada disfuncional

Comprar

  • 333

A nova marca de objetos de design para a casa Util foi pensada e criada em português, para uso diário e entre amigos

São oito as peças criadas até agora para a marca Util
1 / 9

São oito as peças criadas até agora para a marca Util

Minibar Basso, de Manuel Amaral Netto
2 / 9

Minibar Basso, de Manuel Amaral Netto

Candeeiro Kite, de Manuel Amaral Netto
3 / 9

Candeeiro Kite, de Manuel Amaral Netto

Banco Oyster, de Geckeler Michels
4 / 9

Banco Oyster, de Geckeler Michels

Centro de mesa AB, de Joschua Brunn
5 / 9

Centro de mesa AB, de Joschua Brunn

Conjunto de dois copos e garrafa Dual, de RelvãoKellermann
6 / 9

Conjunto de dois copos e garrafa Dual, de RelvãoKellermann

Cabide Hal, de Manuel Amaral Netto
7 / 9

Cabide Hal, de Manuel Amaral Netto

Mesa de apoio Pinto, de Joschua Brunn
8 / 9

Mesa de apoio Pinto, de Joschua Brunn

Fruteira Spout, de Manuel Amaral Netto
9 / 9

Fruteira Spout, de Manuel Amaral Netto

Assim mesmo sem acento e, por isso, com o som carregado no i: Util. Sim, a nova marca portuguesa de design pensa na utilidade das suas peças, mas, começa por explicar Manuel Amaral Netto, não será isso o principal. “Escolhi o nome mais pela capacidade da palavra para se tornar abstrata e pela sua imagem simples, depurada e sem excessos – são exatamente esses os valores da marca”, afirma o designer de 34 anos, que criou a Util no início deste ano.

Ao todo, são oito, os produtos, vistos por Manuel como uma família que agora nasce, mas que há de crescer mais: o cabide Hal, o conjunto de dois copos e garrafa Dual, o banco Oyster, a mesa de apoio Pinto, a fruteira Spout, o centro de mesa AB, o minibar Basso e o candeeiro Kite.
“O que a marca procura é desenvolver mobiliário e acessórios que façam sentido no nosso dia a dia e na forma como socializamos. Quis repensar os objetos que estão no meio de duas pessoas”, diz Manuel Amaral Netto. “Quando somos convidados para casa de alguém, o normal é chegarmos e o anfitrião nos pedir o casaco para o pendurar num bengaleiro, perguntar-nos se queremos beber alguma coisa e nos convidar para sentar. Foi por aí que começou a ideia para as peças da Util”, continua.

Com mais de dez anos de trabalho na área, em Portugal (trabalhou com Fernando Brízio e para a Vista Alegre, e é dele o mobiliário do novo restaurante Leopold, em Lisboa), mas sobretudo no estrangeiro (Holanda, Itália, Suíça), e muitos contactos com marcas de design internacionais, Manuel regressou a Portugal e procurou áreas importantes da indústria nacional. Tentou perceber onde melhor se trabalhavam materiais como a madeira, o vidro, o alumínio ou a cerâmica que queria usar nas suas peças, tal como algumas técnicas de fabrico. “Não possuímos sempre tecnologia de ponta, embora tenhamos uma grande variedade de oferta na indústria e pessoas muito capazes de fazer as coisas”, defende.

Algumas das peças da Util, desenhou-as Manuel Amaral Netto, outras foram criadas por designers que convidou para pensarem nas ideias que tinha ou para trazerem novas ideias. Sempre olhando a forma como nos comportamos em sociedade. “O banco [que tem um lado ‘cortado’] está contra a parede e serve quando chega um convidado extra, o minibar também pode ser mesa de apoio e acompanhar uma conversa entre duas pessoas”, exemplifica. Já Dual, o conjunto de dois copos e garrafa de vidro numa bandeja de alumínio, criada pelo ateliê RelvãoKellermann, inspirou-se na delicadeza japonesa de servir o outro. Uma família de objetos sempre em comunicação – e mesmo nada disfuncional.

Entre esta quinta-feira, 1, e o dia 9 de junho, a Util fará uma exposição/venda no Art Room, no Pátio do Tijolo, 1, em Lisboa.

Util > www.thisisutil.com > preços entre €75 e €330