Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Vinhos: Boas novas vindas do Douro

Comer e beber

Lançamentos, um Nacional Vintage extraordinário e aquisições. A região tem qualidade e futuro, ninguém duvide. O crítico gastronómico da VISÃO Se7e escreve sobre as novidades do Douro

Foi notícia, há dias, a aquisição da Quinta do Passadouro, da família Bohrmann, com origens belga e alemã, pela Quinta do Noval, da AXA Millésimes, empresa de capital francês (subsidiária da AXA Insurance) detentora de um património vinícola extraordinário que inclui, por exemplo, o Château Pichon Baron (Pauillac), o Château Suduiraut (Sauternes), o Château Petit-Village (Pomerol) e o Domaine de l’Arlot (Borgonha), em França; e a Disznókő (Tokaj), na Hungria. A Quinta do Noval sai reforçada, e ainda bem, porque se trata de uma das mais emblemáticas casas do Douro. Os seus Porto Vintage – tão raros como caros, devido à qualidade extrema e à produção exígua (200 a 250 caixas em cada ano de declaração) – são sempre aguardados com expectativa em todo o mundo. O último, de 2017, declarado este ano, faz jus à fama.

Outra novidade foi o lançamento dos primeiros vinhos da Kranemann Wine Estates: Quinta do Convento branco 2018 e tinto 2016, e Kranemann Tawny de 10 e de 20 anos. Christoph Kranemann é um dedicado enófilo alemão e reputado cirurgião no Canadá, que encontrou numa das mais antigas quintas do Douro, a Quinta do Convento de São Pedro das Águias, no Vale do Távora, o lugar para um empreendimento vitivinícola e de enoturismo. Na primeira fase, o seu investimento é de 12 milhões de euros, apostando em vinhos DOC Douro e Porto e no enoturismo. Promete. E eis que nos chega do Douro mais um vinho digno de registo: Quinta dos Murças Reserva Tinto 2015. Pertença do Esporão, a quinta tem sido berço de vinhos com elevado potencial.

Quinta do Convento DOC Douro Branco 2018
Quatro castas, Rabigato, Viosinho, Gouveio e Arinto, deram as uvas para este vinho de aspeto brilhante; cor citrina com reflexos esverdeados; aroma intenso com notas sobretudo cítricas e florais; paladar com frescura, resultante da boa acidez; e final longo, insinuante. €11,80

Quinta dos Murças Reserva Tinto 2015
Feito com uvas de um lote de castas tradicionais, de vinhas com 40 anos, apresenta cor rubi profunda; aroma complexo a frutos pretos com notas balsâmicas e de especiarias; paladar com boa fruta, acidez equilibrada e taninos maduros; final elegante, persistente. €22,50

Quinta do Noval Nacional Vintage 2017
Feito com uvas de uma pequena parcela com videiras portuguesas, sem porta-enxerto americano, tudo nele impressiona: a concentração da cor de tons purpurinos, a complexidade aromática, o paladar tão vigoroso como elegante e o final sedutor. €820