Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Ver, saborear e sentir no Restaurante Panorâmico, em Braga

Comer e beber

O chefe Albano Lourenço renovou a cozinha deste restaurante e fez dela uma referência do Bom Jesus do Monte e da cidade. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva, sobre o Panorâmico no Hotel Elevador, em Braga

A sala, num varandim aberto para os jardins e realçada pela luz natural, tem vista para a cidade de Braga

A sala, num varandim aberto para os jardins e realçada pela luz natural, tem vista para a cidade de Braga

Mário Brandão

Quem vai a Braga tem de subir ao Bom Jesus e deve deter-se, à hora da refeição, no Restaurante Panorâmico do Hotel do Elevador, junto do escadório e do não menos célebre ascensor hidráulico do século XIX que lhe dá o nome, a fim de saborear os pratos de raiz portuguesa criados pelo chefe Albano Lourenço. Faz em meados de setembro um ano que ele chegou aos Hotéis Bom Jesus e as mudanças que imprimiu no Panorâmico são bem evidentes. A sala, num varandim aberto para os jardins com vista (e que vista, meu Bom Jesus!) para a cidade de Braga, tem a delicadeza de sempre, realçada pela luz natural e pelos atoalhados brancos, e beneficia das mesas mais pequenas, das louças distintas (Vista Alegre) e de outros requisitos que a tornam mais intimista e confortável. A cozinha mantém a base portuguesa mas, agora, na interpretação de Albano Lourenço, com técnica culinária, sentido estético e criatividade.

Adequada à realidade local, a ementa tem uma carta fixa; um menu de degustação com cinco momentos, além dos aperitivos (€42); um menu do dia com sopa, salada, peixe, carne e buffet de sobremesas (€22), com base no qual se pode fazer uma refeição individual ainda mais simples (sopa, salada e peixe ou carne, €17). O couvert está sempre presente, com pão, broa, azeite e aperitivos do chefe. Também há um menu para crianças. Domingos, às 12 horas, é dia de buffet e de reunião familiar à volta das várias entradas e saladas, dos pratos (um de peixe e dois de carne) e das sobremesas.

Divulgação

Quanto ao que se come, a primeira nota vai para os produtos frescos, cuja qualidade é evidente; a segunda, também excelente, para a combinação e a confeção dos ingredientes; e a terceira para a apresentação cuidada, sem espavento. Nas entradas provem-se, por exemplo, o atum braseado, bem acompanhado com legumes, a alheira com gomos de maçã ou, ainda, o caldo-verde, terminado na mesa com a junção do caldo à couve, ao salpicão e à broa. Imperdíveis, nos peixes, o polvo confitado, de textura tão suave que dispensa a faca, com puré de batata-doce e grelos ácidos, e o bacalhau com “molho à Braga”, também confitado, a lascar, com batata-doce frita e um bom molho servido à parte.

Entre as carnes, recomendam--se as bochechas de vitela, com sabor intenso que as verduras, o puré de aipo e o molho de vinho do Porto equilibram, o carré de borrego com crosta de ervas e gratinado de batata, e o bife do acém de vitelão, temperado apenas com flor de sal e tendo por companhia bom presunto e escabeche de pimento vermelho. Para sobremesa, insinuam-se o pudim abade de Priscos, o bolo húmido de chocolate, o parfait de amêndoa com molho de frutos vermelhos, entre a boa doçaria de fabrico próprio. Garrafeira adequada. Serviço amável, atento, eficiente.

Restaurante Panorâmico > Hotel do Elevador > Monte do Bom Jesus, Tenões, Braga > T. 253 603 400 > seg-dom 12h30-15h, 19h30-22h > €30 (preço médio)