Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Italianíssimo, assim é o restaurante Fiammetta, em Lisboa

Comer e beber

Neste restaurante e mercearia em Campo de Ourique, o tradicional e o moderno andam de mãos dadas nas criações do chefe Armando Capocci. Venha daí conhecer a nova carta de verão do Fiammetta

Bigoli alle vongole, típico de Veneza, um esparguete mais grosso, feito com massa fresca, servido com amêijoas

Bigoli alle vongole, típico de Veneza, um esparguete mais grosso, feito com massa fresca, servido com amêijoas

D.R.

O superlativo absoluto sintético do título não se aplica só à filosofia do restaurante, que há um ano e meio começou por ser apenas uma mercearia com produtos italianos. É também um modo de vida. Em Lisboa, Ludovica Rocchi Brandão, chegada de Roma há quatro anos, continua a andar de Vespa para todo o lado. Em plena II Guerra Mundial, o avô abriu uma trattoria na Piazza Fiammetta. Agora, alguns dos pratos idealizados para a carta da mercearia italiana, em Campo de Ourique, são replicados pela família na trattoria romana.

O verão só chega daqui a uns dias, mas a ementa do Fiammetta já está pensada para os dias mais quentes. Felizmente, o linguini carbonara (€11) mantém-se, assim como o risotto de açafrão (€13), a que se juntam sempre os legumes da estação – se agora é tempo de espargos ou favas, no mês que vem muda tudo. A pedir uma massa mais fina, sem fermento, saem os paninos e entram as piadines (€7-€9), feitas com ingredientes à venda na charcutaria: affumicata com rúcula, speck (espécie de fiambre fumado) e stracciatella (interior da burrata); mediterrânea com beringela grelhada, pesto de tomate seco e manjericão; tartufata com presunto de Parma, mozzarella de búfala e azeite de trufa.

O chefe Armando Capocci pegou também em clássicos italianos e, com alguma inovação, enriqueceu-os. Provámos o bigoli alle vongole (€15), típico de Veneza, um esparguete mais grosso, feito com massa fresca, servido com amêijoas. Que ninguém se atreva a cortar o esparguete com a faca nem a pedir parmesão para polvilhar um prato de peixe, é um sacrilégio. No Norte de Itália, na região de Piemonte, faz-se uma das poucas receitas que misturam carne e peixe. A vitela tonnato (€13) é servida fria com uma maionese de atum, alcaparras e anchovas – esqueça qualquer pasta de atum que lhe tenha sido apresentada num couvert. Difícil será escolher entre o carpaccio de robalo (€20) em azeite, trufa preta e lascas de limão, citrino certo para não matar a frescura do peixe, o gnocchi com molho de caranguejo e gambas (€18) e o ravioli de ricotta, pecorino, lardo di colonnata e avelã (€18). No fim, como não se sente o álcool, a flûte com sgroppino (sorvete de ananás, vodka e prosecco) pode ser um (delicioso) perigo.

O restaurante abre-se para a rua, com as mesas a ocupar o passeio

O restaurante abre-se para a rua, com as mesas a ocupar o passeio

D.R.

Os produtos frescos são os únicos comprados em Portugal, tudo o resto chega de Itália. Em breve, terão à venda um carpaccio de atum e outro de robalo, e filete de enguia fresca, vindos da Sardenha.

Fiammetta > R. Almeida e Sousa, 20A, Lisboa > T. 21 385 0679 > ter-qua 10h30-21h, qui-sáb 10h30-23h, dom 10h30-18h