Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Minho e Douro: Vinhos personalizados

Comer e beber

Como se faz um branco com perfil moldado na barrica onde fermentou e estagiou e um tinto com marca de origem Douro. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva sobre os novos vinhos Maria Bonita Loureiro Barrica e Quinta do Bronze

Maria Bonita Loureiro Barrica parece nome de gente, mas é de vinho, por sinal um bem-apessoado branco da Região dos Vinhos Verdes, colheita de 2017. Produzido por Lua Cheia em Vinhas Velhas – outro nome indicativo de imaginação e engenho –, veio juntar-se a dois vinhos chamados Maria que o precederam e deram nas vistas: Maria Bonita (simplesmente), da Região dos Vinhos Verdes, feito apenas com uvas da casta Loureiro; e Maria Papoila, da sub-região Monção e Melgaço, em duas versões, uma só Alvarinho e a outra Alvarinho/Loureiro Escolha.

O primeiro Maria Bonita revelou-se jovem, fresco, jovial, de consumo fácil, e entrou alegremente no mercado, mas o enólogo Francisco Baptista entendeu que a casta Loureiro tinha ainda mais para dar, quer em estrutura quer em volume de boca, e, vai daí, fez este Maria Bonita Loureiro Barrica, que lhe dá inteira razão. Também é exclusivamente Loureiro, mas feito com uvas da vinha mais velha com fermentação e estágio em barrica. As uvas, a vinificação e a madeira fazem a diferença. Tem estrutura, equilíbrio e notória vocação gastronómica.

Ao mesmo tempo, o produtor Lua Cheia em Vinhas Velhas deu a conhecer um novo vinho: Quinta do Bronze 2015. “Tenho procurado os anos incríveis e encontrei”, diz Francisco Baptista, o enólogo, ao apresentar este vinho. Surgiu-lhe a oportunidade com a colheita de 2015, que foi excecional, e ele já promete novas edições da Quinta do Bronze “sempre que a Natureza bafejar o Douro com condições perfeitas”. A de 2017 deverá ser já a próxima.

Maria Bonita Loureiro Barrica Vinho Verde DOC 2017
Exclusivamente Loureiro, da vinha mais velha, com fermentação em barricas usadas de 300 litros seguida de estágio de oito meses. Tem aspeto brilhante, cor palha muito viva, aroma intenso, concentrado, com excelentes notas frutadas e minerais, paladar limpo, fresco. Estruturado com final longo e vibrante. Perfeito para acompanhar pratos de peixe e de marisco. €17

Quinta do Bronze Douro DOC 2015
Touriga Nacional, Touriga Franca, Sousão e Tinto Cão, quatro castas tradicionais do Douro, num vinho que exibe com garbo os sinais da sua origem: cor rubi profunda, aroma elegante, complexo e concentrado, paladar envolvente e estruturado com taninos, acidez, fruta e barrica em boa harmonia. Obviamente gastronómico e amigo da cozinha tradicional portuguesa. €35