Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Os cachorrinhos da Gazela e o The Presidential Train são finalistas dos The World Restaurant Awards

Comer e beber

Há dois nomes portugueses na lista de finalistas dos The World Restaurant Awards: os cachorrinhos da Cervejaria Gazela, no Porto, e a viagem gourmet The Presidential Train, a bordo do Comboio Presidencial, que liga o Porto ao Douro. No dia 18 de fevereiro, em Paris, conhecem-se os vencedores, mas do “top cinco”, nas categorias Especialidade e Evento do Ano, já ninguém os tira

O The Presidential Train e os cachorrinhos da Cervejaria Gazela são os únicos portugueses nomeados para os The World Restaurant Awards

O The Presidential Train e os cachorrinhos da Cervejaria Gazela são os únicos portugueses nomeados para os The World Restaurant Awards

Américo Pinto, 62 anos, achou que era uma brincadeira quando lhe disseram, há dias, que os seus "cachorrinhos" estavam na lista das cinco melhores House Special (restaurantes que se distinguem por um prato em particular) do mundo, na primeira edição dos The World Restaurant Awards. O atual dono da Cervejaria Gazela, aberta em 1962, na Batalha, no Porto, paredes-meias com o Teatro Nacional de São João, confessa “nunca ter imaginado” que a sua casa pudesse disputar tal prémio com outros quatro restaurantes: Lido 84, em Gardone Riviera (Lombardia, Itália), Obana, em Tóquio (Japão), Trishna, em Mumbai (India), e Yat Lok, em Hong Kong.

Mas o “hot dog” da Gazela, assim como o The Presidential Train, a viagem gourmet de luxo que, desde 2016, liga o Porto ao Douro, com chefes de cozinha a bordo do antigo Comboio Presidencial, parecem ter conquistado o júri deste prémio criado pelos gastrónomos Joe Warwick e Andrea Petrini, em parceria com a Fine Dining Lovers, para “celebrar os restaurantes como se fossem cultura, tal como o são o cinema, a arte e a música”. Tal como Américo Pinto, também Gonçalo Castel-Branco, o mentor do The Presidential Train, ficou orgulhoso pelo facto de a viagem gourmet de luxo, que pôs o Comboio Presidencial de novo nos carris, encontrar-se na lista dos cinco melhores na categoria Eventos do Ano. “A nomeação tem um lado inesperado e, ao mesmo tempo, de justiça para com a minha equipa”, diz à VISÃO Se7e, reconhecendo, porém, a forte concorrência. O The Presidential Train disputa o prémio com projetos singulares, como o Al Meni, um mercado de sabores que acontece no interior de uma tenda de circo, em Rimini, Itália; o Game at Lyle’s, em Londres (Reino Unido), o Parabere Forum, uma plataforma sueca, constituída por mulheres, que pretendem melhorar a alimentação; e o Refugee Food Festival, em Paris (França).

Américo Pinto, dono das duas Cervejarias Gazela

Américo Pinto, dono das duas Cervejarias Gazela

Lucília Monteiro

Nas duas casas da Gazela, na Batalha – à primeira, a funcionar desde 1962 na Travessa Cimo de Vila, juntou-se, no verão passado, a da Rua de Entreparedes –, não há mãos a medir, logo que as portas abrem às 12 horas. “No sábado passado, sairam 1 500 cachorros”, conta Américo Pinto, proprietário da casa desde os anos 80, onde começou a trabalhar como moço de recados aos 13 anos, vindo de Armamar, no Douro. “Nessa altura”, recorda, “se vendêssemos 20 já era fantástico. A Gazela não tinha a mesma dimensão que tem hoje”. A iguaria já tinha fama, mas a visita de Anthony Bourdain, em 2017, para o programa Parts Unknown, mostrou-a ao mundo. Hoje, é frequente ali ver gente de várias nacionalidades, a quem a equipa cumprimenta como se fossem amigos de longa data. “O segredo é olhar nos olhos, cumprimentar com um aperto de mão e sorrir”, dizem em uníssono.

Quanto à receita, garante Américo Pinto, continua a ser a mesma. “Eu só aperfeiçoei a qualidade dos produtos.” Ao pão de cachorro estaladiço, feito numa padaria para a Gazela, junta-se a salsicha e a linguiça frescas da Casa Leandro (o mesmo fornecedor desde o início), o queijo flamengo com 45% de gordura, feito especialmente para a casa, e o molho picante caseiro, confecionado diariamente. Para Américo Pinto, a qualidade dos produtos e o grelhador são a chave do sucesso. E mais não adianta. “O segredo é olhar para aquilo e perceber se o cachorro já está, ou não, grelhado.” Depois, leva-se à mesa ou ao balcão, lugar especial nas duas casas , cortado em pedaços que se comem à mão. Estaladiços e saborosos, os cachorros do Gazela (€3,50) podem acompanhar com batata frita e um fino, ou uma cerveja, tal como acontece há mais de meio século. Bem mais dispendiosa será a viagem no The Presidential Train (€650), que, este ano, acontecerá apenas na época das vindimas, entre 20 de setembro e 26 de outubro, devido “ao desgaste do comboio”. A próxima edição já tem 30% das viagens vendidas.

Para Gonçal Castel-Branco, tal como para Américo Pinto, “a nomeação já é um prémio”, mas ambos já têm o bilhete para Paris, a 18 de fevereiro, dia em que serão divulgados os vencedores numa cerimónia no Palais Brongniart, a representar os dois únicos portugueses finalistas na primeira edição dos The World Restaurant Awards.

As próximas viagens gourmet no The Presidential Train terão, sobretudo, a participação de chefes portugueses

As próximas viagens gourmet no The Presidential Train terão, sobretudo, a participação de chefes portugueses

Lucília Monteiro

Cervejaria Gazela > Tv. Cimo de Vila, 4, Porto > T. 22 205 4869 > R. de Entreparedes, 8, Porto > T. 22 1124981 > seg-sáb 12h-22h30 > The Presidential Train > www.thepresidentialtrain.com