Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Chegou a lampreia ao restaurante O Moinho, em Ponte da Barca

Comer e beber

Casa acolhedora, ambiente familiar e cozinha saborosa, com os produtos e os sabores do Alto Minho. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva, sobre o restaurante O Moinho, em Ponte da Barca

Lucília Monteiro

No primeiro dia do ano abre oficialmente a época da pesca da lampreia, são lançadas as redes e fazem-se as primeiras reservas nos restaurantes onde se sabe que o célebre ciclóstomo marca presença e é bem cozinhado. É o caso de O Moinho, em Ponte da Barca. Bem localizado, na confluência do rio Vade com o Lima, tem uma sala ampla com decoração rústica, outra mais pequena e romântica, quase sobre as águas, uma esplanada exterior e uma cozinha genuinamente regional.

A ementa é, pois, um catálogo de especialidades da região, em que se destaca, naturalmente, a lampreia, aqui tratada com raro esmero: após a captura, mantém-se viva dentro de tanques cavados no leito do rio, em ambiente natural, até ao momento de ser cozinhada, à boa maneira tradicional. Seja em arroz seja à bordalesa, resulta uma iguaria admirável, que explica o êxtase ou delírio poético de Afonso Lopes Vieira ao chamar-lhe: “divina lampreia”.

Outro posto cimeiro da ementa de O Moinho é o da posta barrosã: carne certificada com tenrura e suculência únicas, bem guarnecida com batatas a murro ou arroz de feijão. Também os filetes de polvo ou de pescada fresca com arroz de feijão a acompanhar, o bacalhau à lagareiro ou gratinado no forno com batatas fritas às rodelas, e o peixe fresco do dia para grelhar são recomendáveis, bem como os pratos que têm dia fixo e clientes certos: arroz de cabidela de frango pica no chão, à quinta-feira; rojões à minhota com arroz de sarrabulho e papas de sarrabulho, sábado e domingo (sarrabulho só de outubro a dezembro); cabrito assado no forno a lenha, ao domingo; e cozido, também ao domingo, durante o inverno, ou por encomenda.

Enquanto o prato principal é preparado, provem--se os enchidos e os queijinhos regionais, os salgadinhos caseiros ou o escabeche de sável, acompanhados com broa de milho. Doçaria caseira variada, com leite-creme, musse de chocolate, doce da casa (de bolacha, como de costume) e pudim em evidência. Boa garrafeira com serviço de vinho a copo. Serviço eficiente e simpático.

O Moinho > Campo do Corro, 1, Ponte da Barca, Viana do Castelo > T. 258 452 035 e 91 943 4272 > qua-seg 12h-16h, 19h-24h > €20 (preço médio)