Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Qual é a relação qualidade-preço dos vinhos portugueses?

Comer e beber

Os vinhos portugueses, em geral, são bons e baratos, permitindo o consumo regular e, desejavelmente, moderado. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Nem todos, e nem sempre, temos a possibilidade de beber os melhores vinhos, pelas mais variadas razões, entre as quais avultam a disponibilidade financeira. Mas estas não nos impedem de beber vinhos bons, fáceis de encontrar no mercado e a preços acessíveis. É preciso reconhecer que os vinhos portugueses, em geral, são baratos e bons. Se comparados com vinhos estrangeiros, então, a relação entre a qualidade e o preço torna-se ainda mais favorável 
aos vinhos de produção nacional. Em geral, claro.

Há uma tendência natural para duvidar da qualidade dos vinhos de baixo preço, com a cautela de quem conhece o ditado popular “galinha gorda por pouco dinheiro não há no poleiro”. Mas, nos vinhos, há. 
E bem gorda, por vezes. Na formação dos preços entram múltiplos fatores, que vão desde a vontade que os consumidores têm de os pagar – e nela se fundamentam os altos preços de vinhos portugueses tão famosos como o Barca Velha e o Pêra-Manca – até à estratégia das empresas, que optam por grandes produções 
com excelente relação qualidade/preço. Catalogados como vinhos comerciais, estes são objetivamente bons, sem defeitos e, se não cabem nas garrafeiras nem nas notas dos especialistas, confortam o dia a dia dos apreciadores com poucos recursos, que não dispensam 
o vinho para exaltar o prazer da mesa.

Eis três exemplos de vinhos brancos tão agradáveis como honestos, e todos com sentido gastronómico, especialmente adequados para o tempo de verão, 
com mariscos, pratos de peixes e de carnes brancas.

Pouca Roupa 
Branco 2017
Uvas das castas Verdelho, Sauvignon Blanc 
e Viosinho deram este vinho de aspeto cristalino, cor citrina, aroma intenso e fino com notas tropicais 
e o toque vegetal característico da Sauvignon Blanc. Paladar marcado pela frescura 
e pelo equilíbrio, com acidez e fruta bem presentes, final longo e 
persistente. €3,99

Paço de Teixeiró Branco 2017
Elaborado a partir das castas Avesso (80%) e Loureiro (20%), tem cor citrina, aroma complexo com notas florais, frutadas (cítricas) e vegetais, e um toque vibrante de mineralidade. Paladar equilibrado, deixando um aliciante rasto de frescura. €7,50

Monólogo Sauvignon Blanc 2017
Monocasta, feito de uvas de uma propriedade certificada em produção biológica, cor citrina, aroma complexo com notas cítricas, algum vegetal próprio da casta e certa mineralidade. Paladar elegante, equilibrado, suave, com acidez muito viva mas bem integrada. A sua frescura liga-o sobretudo aos aperitivos. €8