Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Clássico e sempre atual, o Nacional é uma referência da cozinha regional

Comer e beber

Muitos anos ao serviço da cozinha regional com ambiente familiar, atendimento gentil e preços justos. E, na época dela, há lampreia do Mondego. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva, sobre o Nacional

O Nacional tem três salas − uma no rés do chão para grupos e duas em cima com serviço à carta, cada uma decorada a seu modo

O Nacional tem três salas − uma no rés do chão para grupos e duas em cima com serviço à carta, cada uma decorada a seu modo

D.R.

Instalado num edifício antigo da zona histórica de Coimbra (junto das Galerias Amado, na baixa da cidade), há 41 anos, o Nacional é uma referência da gastronomia regional, com propostas diversificadas e pratos bem servidos, saborosos, a preços acessíveis. Tem três salas − uma no rés do chão para grupos e duas em cima com serviço à carta, cada uma decorada a seu modo − e clientes certos, sobretudo da classe média/alta coimbrã. Como restaurante de cozinha regional situado na cidade do Mondego inclui nas suas especialidades a lampreia. Este ano, apresenta-se mais pequena e menos gorda, devido às condições adversas do tempo, mas a verdade é que sabe muito bem, por muito mérito de Adriano Rodrigues, que chefia a cozinha desde o início. Aqui não há lampreia importada, só do Mondego.

A ementa tem duas ou três sugestões do dia que fixam as atenções dos clientes, por serem sempre pratos bem feitos e saborosos, como a tibornada de bacalhau, à segunda-feira; a feijoada à transmontana, terça; o arroz de pato à moda antiga, quarta; as pataniscas de bacalhau com arroz de feijão ou de tomate, quinta; o cozido à portuguesa, sexta; o bacalhau à italiana (que é uma criação do chefe inspirada no bacalhau com natas), o polvo à lagareiro e a carne de porco à alentejana, ao sábado. Além destes, há especialidades bem conhecidas, como a lampreia, na sua época, em arroz, bem temperada, bem confecionada e muito bem servida; os filetes de tamboril com arroz de berbigão, com o polme e a fritura corretos, e o arroz cremoso, de sabor suave e rico; a paelha de marisco com gambas, sapateira e amêijoas, com o arroz solto e saboroso; o capão, quando há, com arroz pardo; e outros que nunca desiludem, como o peixe fresco do dia, para cozer ou grelhar. Bons petiscos para entreter enquanto se aguarda o prato, como a entrada do mar, com amêijoas, gambas e polvo, em três tacinhas; a beirã, com chouriça, morcela e entremeada grelhadas; e a saloia, com queijo Serra, paio e presunto. Boa doçaria caseira com o doce da casa, o leite-creme e o arroz-doce em destaque. Na garrafeira nota para a seleção do mês com vinhos a preços convidativos, quer em garrafa, quer a copo. Serviço eficiente e simpático.

Restaurante Nacional, Coimbra

Restaurante Nacional, Coimbra

D.R.

Nacional > R. Mário Pais, 12, 1º, Coimbra > T. 239 829 420 e 917 570 856 > seg-sáb 12h-15h, 19h-22h30 > €20 (preço médio)