Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Restaurante Mistu, no Porto: Exótico quanto baste

Comer e beber

Irmão mais novo do restaurante Flow, o Mistu, no Porto, distancia-se da cozinha mediterrânica e inspira-se noutras gastronomias mais longínquas. Mas sem provocar grandes choques culturais

A carta do Mistu viaja da Ásia à América do Sul, utilizando-se produtos que os portugueses reconhecem, como o polvo, o camarão tigre ou a picanha

A carta do Mistu viaja da Ásia à América do Sul, utilizando-se produtos que os portugueses reconhecem, como o polvo, o camarão tigre ou a picanha

Lucília Monteiro

Há um exotismo controlado no Mistu, sendo os paladares mais distintos, com referências à Ásia e à América do Sul, balanceados com a utilização de produtos reconhecíveis pelo público português, como o polvo, o camarão tigre, o robalo ou a picanha. “Não queremos ter o compromisso de tratar um prato exatamente como no país de origem, procuramos sabores e produtos e transformamo-los de forma a sentirmo-nos mais confortáveis”, explica Rui Mingatos, chefe de cozinha e sócio do restaurante, inaugurado no final de novembro. O desafio foi-lhe lançado por Ricardo Graça Moura e Paulo Freire, proprietários do Flow (onde Rui também é chefe executivo), que se tem mantido em voga no Porto desde a abertura, em dezembro de 2014. “Queríamos acrescentar valor à cidade e apresentar um novo restaurante, não necessariamente o melhor sítio para se comer (para isso existem os Michelin), mas com uma conjugação de elementos: comida consistente e inovadora, conforto, decoração ímpar e ambiente”, acrescenta Ricardo.

Lucília Monteiro

Escolheram, mais uma vez, um edifício com caráter, onde outrora funcionou uma serralharia, reabilitado pelo arquiteto Nuno Cabanelas e decorado por Paulo Freire. Sofisticado e cosmopolita, com luz abundante a entrar pelas janelas em ferro forjado e muitas plantas, quase como se fosse uma estufa de inverno, é um lugar para observar e ser observado (da mezzanine, controlam-
se os dois pisos), “mas que não se esgota na moda”, acredita Ricardo Graça Moura. A carta, eclética, favorece as partilhas. Entre os pratos frios, há ceviches (de peixe branco e de atum, gengibre e abacate, ambos por €13), tártaro de lombo com molho kimchi (€13) ou ganache de foie gras e pão de especiarias (€10). Nos pratos quentes, têm-se destacado a tranche de robalo, espargos, tortelloni de cogumelos e trufa (€20), o camarão tigre com risotto de choco e alface do mar (€28) ou o cupim de boi, cerveja preta, puré de abóbora manteiga e cogumelos (€12). Exóticos quanto baste.

“Não queremos ter o compromisso de tratar um prato exatamente como no país de origem, procuramos sabores e produtos e transformamo-los de forma a sentirmo-nos mais confortáveis”, explica Rui Mingatos, chefe de cozinha e sócio do Mistu

“Não queremos ter o compromisso de tratar um prato exatamente como no país de origem, procuramos sabores e produtos e transformamo-los de forma a sentirmo-nos mais confortáveis”, explica Rui Mingatos, chefe de cozinha e sócio do Mistu

Lucilia Monteiro

Mistu > R. Comércio do Porto, 161, Porto > T. 92 668 2620 > seg 20h-23h30, ter-sex 12h30-15h, 20h-23h30, sáb 13h-15h30, 20h-24h > €14 menu de almoço (apenas durante a semana)