Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Todos os domingos come-se cozido à portuguesa na Casa Inês

Comer e beber

É já um clássico do Porto, que recebe com discrição, trata com carinho e alimenta com requinte, elevando a cozinha portuguesa a um nível superior. Este é um dos restaurantes incluídos no roteiro-agenda dedicado ao cozido à portuguesa, que faz o tema de capa da próxima VISÃO Se7e, quinta-feira nas bancas

Aberto há cinco anos, o restaurante Casa Inês tem uma ementa pequena que facilita a rotação dos produtos, sempre frescos

Aberto há cinco anos, o restaurante Casa Inês tem uma ementa pequena que facilita a rotação dos produtos, sempre frescos

Lucília Monteiro

No primeiro dia de outubro regressou à Casa Inês o cozido à portuguesa, que neste restaurante é sazonal, e, talvez por isso, não figura entre os pratos mais emblemáticos, a par dos filetes de pescada e de polvo, das tripas ou da vitela no forno. Mas tem tal qualidade que o elegemos para assinalar o início da época em que se reclama a presença desta pérola da cozinha tradicional portuguesa na mesa, em vez dos pratos leves da canícula.

A Inês que dá o nome ao restaurante nasceu e fez-se cozinheira na Casa Aleixo. Há cinco anos, abriu esta casa no espaço da antiga e saudosa Adega Pacheco e deu-lhe alma, amenizando a rusticidade da pedra das paredes com alguns quadros da cidade do Porto, as mesas bem postas e frequentemente visitadas pela cozinheira e a comida à base de produtos regionais, receitas de família e sabores caseiros.

Tem uma ementa pequena que facilita a rotação dos produtos, sempre frescos. E não precisa de aumentar a oferta, porque os clientes vão à procura do que lá está. Para entrada, os bolinhos de bacalhau com feijão-frade, pequenos e fofos; as bolinhas de alheira com agridoce de abóbora, num jogo de sabores estimulante; e as sardinhas de escabeche, com sabor intenso e fresco. Nos pratos principais, três ex-libris: filetes de pescada e de polvo muito leves, macios e douradinhos, ambos com arroz de polvo seco e solto, (ou farinha de pau de pescada, à sexta-feira); tripas à moda do Porto, com tudo o que lhes pertence e um acrescento de sabor; e vitela assada no forno, que se desfaz na boca. Outros pratos a não perder: com dia fixo, o bacalhau à Gomes de Sá, quinta-feira; a bariganga, que é uma original feijoada com feijão-frade, grelos e carnes da vazia, sexta-feira; e cozido à portuguesa, com as carnes bem salgadas e cozidas, tal como os enchidos e os legumes, domingo; com presença diária: lombo do cachaço assado no forno e bife da vazia.

Boa doçaria tradicional, em especial a aletria e as rabanadas, mas a musse de chocolate e o pudim francês não lhes ficam atrás. Garrafeira bem selecionada em função da comida com dois brancos e dois tintos do Douro a copo. Serviço atento e simpático.

Casa Inês > R. de Miraflor, 20, Porto > T. 22 510 6988 > ter-sáb 12h15-15h, 19h30-22h30, dom 12h15-15h > €22 dose cozido