Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Restaurante Ânfora, em Lisboa: Um lugar cheio de histórias

Comer e beber

Alentejana de gema, a chefe de cozinha Vera Silva, agora à frente da cozinha do hotel Palácio do Governador, em Lisboa, gosta de trabalhar os produtos portugueses, focando-se, principalmente, no seu sabor

A decoração de Nini Andrade Silva é inspirada nos Descobrimentos, com muitos azuis fortes a remeterem para o mar

A decoração de Nini Andrade Silva é inspirada nos Descobrimentos, com muitos azuis fortes a remeterem para o mar

DR

Enchidos alentejanos, couve-flor, batata-doce, castanhas e arroz carolino de Alcácer do Sal são alguns dos ingredientes usados na nova carta para o outono/inverno do Ânfora. “As estações do ano dão-nos os produtos. No inverno queremos conforto e isso também se vai buscar à comida”, diz Vera Silva, 35 anos, aos comandos da cozinha do restaurante do hotel Palácio do Governador, em Belém. Depois de André Lança Cordeiro ter feito as honras da casa, desde a sua abertura, em junho do ano passado, é agora a vez de esta alentejana de gema, uma mulher genuína, imprimir a sua genica na comida que prepara, e não é só para os hóspedes.

No piso -1, resvés à piscina exterior, o Ânfora tem um ambiente acolhedor, apesar do teto em pedra. Isso deve-se em grande parte à decoração de Nini Andrade Silva inspirada nos Descobrimentos, com muitos azuis fortes a remeterem para o mar.

À mesa, só o marcador já merece destaque. Uma peça original da Companhia das Índias, encontrada no edifício, serviu de inspiração, com uma flor replicada nos pratos e até nas alcatifas.

Vera Silva quer proporcionar uma experiência gastronómica, por isso assume-se como uma contadora de histórias

Vera Silva quer proporcionar uma experiência gastronómica, por isso assume-se como uma contadora de histórias

DR

Em cada refeição, Vera Silva quer proporcionar “uma experiência gastronómica, desde a leitura da carta até aos petit fours”, por isso o rol de pratos começa com a categoria “era uma vez”. Dos quatro pães escolhemos a focaccia para comer com um pouco de manteiga com flor de sal. Rapidamente chegou o amuse-bouche dentro de uma bola de vidro. Fino e delicado, tudo em versão miniatura: brulée de foie gras e macaron com o mesmo recheio, tosta de brioche e frutos secos (€6). Seguiram-se as vieiras em noisette com puré de couve-flor e chips de cupita, um enchido alentejano de porco preto que eleva e muito esta entrada (€18). O que se seguiu foi o nosso prato preferido: um fresquíssimo lombo de robalo (servido com pele) e acompanhado de um tachinho de arroz carolino de Alcácer do Sal, camarão e coentros (€22). Não provámos o peixe-galo (que em Lisboa se chama alfaquique) com xerém algarvio com amêijoas (€20), mas disseram-nos que também é música para os ouvidos. Nas carnes, Vera escolheu a consensual coxa de pato confitada, com texturas de batata-doce e couve-flor roxa e couve romanesco (€17). Simplesmente no ponto. Na lista para uma próxima visita ao Ânfora ficou o prato de cordeiro com castanhas (€22) e as bochechas de porco bísaro com cuscos transmontanos do fumeiro (€16). Para a chefe este é “o melhor exemplo de como uma prato menos bonito é tão rico de sabor”, e esse é o seu principal foco. Cozinha portuguesa com raízes de São Marcos do Campo, para os lados de Reguengos de Monsaraz. Mas esta mãe de três filhos não se fica pelo receituário alentejano. Não terminamos sem falar da sobremesa ou não estivéssemos em Belém. Vera pegou nos sabores do pastel de nata, da canela, do café e até de um “cheirinho” e transformou numa elegante bomboca (€6). Imaginação é coisa que não falta nesta mesa cinco estrelas.

Fresquíssimo lombo de robalo (servido com pele) e acompanhado de um tachinho de arroz carolino de Alcácer do Sal, camarão e coentros (€22)

Fresquíssimo lombo de robalo (servido com pele) e acompanhado de um tachinho de arroz carolino de Alcácer do Sal, camarão e coentros (€22)

DR

Hotel Palácio do Governador > R. Bartolomeu Dias, 117, Lisboa > T. 21 246 7800 > seg-dom 12h-15h, 19h30-23h

Vieiras em noisette com puré de couve-flor e chips de cupita, um enchido alentejano de porco preto que eleva e muito esta entrada (€18)

Vieiras em noisette com puré de couve-flor e chips de cupita, um enchido alentejano de porco preto que eleva e muito esta entrada (€18)

DR