Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Restaurante O Nobre: Real categoria

Comer e beber

  • 333

O sabor da tradição numa cozinha sábia que se reinventa a cada passo, que é como quem diz, a cada prato. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

A partir deste domingo, 4, e até ao último fim de semana de agosto, vai começar o bufete dedicado ao bacalhau

A partir deste domingo, 4, e até ao último fim de semana de agosto, vai começar o bufete dedicado ao bacalhau

Mario Joao

Com o fim do mês de maio, completa-se mais um ciclo do bufete de cozido à portuguesa no restaurante O Nobre, domingo, ao almoço. Regressa no primeiro fim de semana de setembro, em nova série. Mas não há que chorar pelo cozido nos meses mais quentes do ano, porque o bufete traz outra iguaria tradicional portuguesa igualmente apreciada: o bacalhau. Vai começar no primeiro domingo de junho, 4, e ficará até ao último fim de semana de agosto. Como de costume, terá três âncoras; folhadinhos, pastéis e pataniscas, e três pratos que mudam todas as semanas, a saírem de um vasto lote (à Brás, à Gomes de Sá, à lagareiro, à minhota, com pimentos, com grão, etc).

A ementa está em permanente renovação, ora para acolher produtos da época, ora para registar novas criações da cozinha. Há pratos recentes que começam a fazer história, como a sopa de beterraba com cerveja preta e queijo atabafado, digna de figurar ao lado da famosa sopa de santola, ainda que a não destrone; o cesto de sapateira com esparguete de pepino, com frescura de mar; o tártaro de salmão com pera abacate e pão tostado, suave e gostoso; os rolinhos de linguado com picadinho de cogumelos e molho de gengibre, tão delicados; a cataplana de polvo com abóbora, uma surpresa; a coxa de pato confitada em especarias com quinoa de vegetais, um acompanhamento original; a espetada de galo do campo com frutas tropicais e chips de batata-doce, um gosto renovado; e o bife com molho de whisky e batatas fritas, o “bife da noite”, como lhe chamam os clientes. Outros pratos sãos clássicos, insubstituíveis, e sobre eles já tudo foi dito: a citada sopa de santola, a cataplana de marisco, o lombo de robalo à Justa, o lombo de garoupa de coentrada, a perninha de cabrito no forno, os escalopes de novilho enrolados em presunto, os medalhões de porco preto com migas de espargos verdes e a perdiz à transmontana, entre outros. Doçaria excecional: aletria de ovos e abóbora, pudim de maçã de Bragança e doce carmim com pão de ló frutos vermelhos e creme de baunilha, entre as novidades; leite-creme, farófias, sopa dourada e teias de ovos com lascas de amêndoas, nos sucessos de sempre. Excelente garrafeira. Serviço impecável.

O Nobre > Av. Sacadura Cabral, 53-B, Lisboa > T. 21 797 0760 > dom-sex 12h15-15h, 19h15-23h sáb 19h15-23h > €30 (preço médio)