Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

7 ementas de verão para provar em Lisboa

Comer e beber

  • 333

Espreitámos as novas ementas de vários restaurantes de Lisboa e arredores e descobrimos os sabores para esta primavera/verão. Da marinada de camarão aos jaquinzinhos assados na brasa e às saladas de favas, há muitas novidades para provar

A salada de queijo de cabra de Maçussa, presunto e morango é uma das sugestões no The Vintage Restaurant & Bar

A salada de queijo de cabra de Maçussa, presunto e morango é uma das sugestões no The Vintage Restaurant & Bar

1. The Vintage Restaurant & Bar

Na primeira carta elaborada pela chefe Vera Silva, à frente da cozinha do restaurante The Vintage Restaurant & Bar, em Lisboa, saboreiam-se, acima de tudo, produtos portugueses. À prova estão os legumes baby, flores comestíveis e mizunas (uma espécie de rúcula) da Quinta do Poial, em Vendas de Azeitão, Setúbal, e o queijo de cabra de Maçussa, produzido de forma artesanal na pequena aldeia de Maçussa, na Azambuja. Na lista, há ainda carne de lombo e peixe da nossa costa. “Portugal tem uma riqueza tão grande de produtos que não faz sentido ir à procura no estrangeiro. É uma forma de valorizar o que é nosso e de ajudar os pequenos produtores”, afirma Vera Silva.

A nova ementa está dividida em cinco categorias. Na primeira, Para Começar, a chefe destaca a salada de queijo de Maçussa, presunto e morango em redução balsâmico (€12), por ter três produtos nacionais, o presunto, o queijo e o morango, e ainda o gaspacho de tomate e sorvete de pepino (€5), que “surpreende o olhar e o paladar por ser servido em gelado”. Na secção Pela Boca Morre o Peixe, está o bacalhau O Nosso Gomes de Sá (€17): “não tem nada a ver com o clássico apesar de conter todos os elementos de um verdadeiro bacalhau à Gomes de Sá”, avisa Vera Silva. Já nas Carnes de Hoje Faz o Homem pode escolher-se o carré de borrego, feijão verde sobre uma polenta (€22), “diferente das habituais polentas fritas e apresentada com textura idêntica a umas migas do norte”, descreve a chefe. Adoramos Massa e Risotto tem um risoto de legumes e lascas de alcachofra fresca, entre outros pratos pensados para vegetarianos.

Para encerrar, Que Não é Amargo, Nem Azedo, Nem Salgado, com três sobremesas bem portuguesas: mil folhas de pastel de nata (€8), toucinho do céu com gelado de manjericão (€6) e farófias em emulsão de leite creme e a citronela em gelado (€6).

The Vintage Restaurant & Bar > Hotel The Vintage Lisboa, R. Rodrigues da Fonseca, 2, Lisboa > T. 21 040 5400 > seg-dom 12h-15h, 19h-23h30

Sandes de caranguejo mole, um dos pratos da nova ementa de almoço da Padaria Portuguesa

Sandes de caranguejo mole, um dos pratos da nova ementa de almoço da Padaria Portuguesa

2. A Padaria Portuguesa

Já não são apenas os pães de Deus e os croissants a dar fama às lojas A Padaria Portuguesa. Desde segunda-feira, 15, que há novos menus de almoço inspirados na cozinha do mundo, com preços entre €4,95 e €6,95. Uma das estrelas da ementa é a sandes de caranguejo mole com sriracha (molho de pimenta tailândes), maionese de pimentos padrón e duas texturas de cebola (crua e em pickles), criada pela chefe de cozinha Ana Viçoso. Tudo isto vem servido num pão banhado em manteiga (“não há nada mais francês do que pão e manteiga”, explica). Pode ser pedida em separado (€4,95) ou incluída no menu (€5,95) com chips de batata-doce e uma bebida.

“Quisemos inovar a ementa com tudo o que vimos e experimentamos lá fora, não esquecendo os produtos portugueses”, explica Ana Viçoso (passou pelas cozinhas do Hostel, considerado melhor hostel em 2010 e 2013, Fortaleza do Guincho e Café Nicolau), que se juntou à equipa da Padaria Portuguesa em fevereiro e viajou logo para Madrid e Londres numa espécie de visita de estudo. “ Na verdade, mais do que uma pesquisa foi uma confirmação daquilo que já sabíamos”, conta. A salada de favas (€5,95) é outra das novas apostas dos menus de almoço. É feita com favas baby, mais pequenas e tenras, bacon, tomate e cominhos. “É esta especiaria que nos faz lembrar o guisado de favas”, lembra Ana Viçoso. A sanduiche vegan com pepino doce holandês, pétalas de tomate confitado, húmus em grão, no interior de uma chapata de azeitona (€4,95 ou acompanhada por um sumo natural e uma sopa por €5,95) é uma boa alternativa para quem dispensa a carne e o peixe

A Padaria Portuguesa > 55 restaurantes na região da Grande Lisboa

Para petiscar fora das refeições principais, o chefe Ricardo do Canto sugere os ovos rotos, entre outros petiscos

Para petiscar fora das refeições principais, o chefe Ricardo do Canto sugere os ovos rotos, entre outros petiscos

3. Maastige Avenidas

O chefe Ricardo do Canto, do restaurante Maastige Avenidas, em Lisboa, começa por sugerir as costeletas de borrego (€17,20) que são cozinhadas, em primeiro lugar, a baixa temperatura, e em seguida, salteadas na frigideira. Esta é uma das novas apostas da ementa criada há quatro meses que tem sido sucessivamente reajustada, quer em produtos, quer em técnicas para combinar com o tempo mais quente, explica o chefe que durante um ano e meio viveu e trabalhou em Londres e País de Gales, e de lá trouxe uma forma de cozinhar mais caseira. Este prato acompanha com legumes da época (míni alho francês, cenoura roxa e branca e batata-doce, entre outros) grelhados ou salteados.

A barriga de leitão confitada (€15), outra sugestão do chefe, fica a marinar numa mistura de citrinos e gengibre para cortar o excesso de gordura e ficar mais fresco e apetecível ao palato na primavera. À mesa chega com maçã caramelizada, mousse de cogumelos e chips de batata-doce. Mas para quem prefere pratos mais leves, há salada quinoa (€9) e spaguetti com gambas, chili, limão, tomate cereja e rúcula (€13). Fora das refeições principais, Ricardo do Canto sugere ovos rotos envoltos em presunto, batata frita e parmesão (€9), puntilhitas (€7) e o escabeche de perdiz (€9,70).

Maastige Avenidas > Av. António Serpa, 9, Lisboa > T. 21 134 5998 > seg-qui 12h-24h, sex-sáb 12h2h

Hammach, prato feito com lírio australiano em sashimi, salada de salicórnia e wakame, vinagrete de pesto e sal negro

Hammach, prato feito com lírio australiano em sashimi, salada de salicórnia e wakame, vinagrete de pesto e sal negro

Agencia Zero

4. Avenida SushiCafé

Ao fim de três anos, a ementa do restaurante Avenida SushiCafé mudou radicalmente de sabores. “Há muitas novidades originais para experimentar, mas também há sashimi de atum. E para fazer um sashimi de atum, não há que inventar”, diz Daniel Rente, chefe da cadeia SushiCafé (composta por 11 restaurantes em Lisboa) sobre a nova carta que mistura a gastronomia japonesa contemporânea com uma dose de criatividade. “Queríamos fazer uma carta mais moderna, misturar não só os ingredientes portugueses, como o nosso peixe, um dos melhores, assim como técnicas e produtos de outros países, como o pesto italiano, o lírio da Austrália e o sal das Himalaias, por exemplo.”

No SushiCafé, a apresentação dos pratos aposta numa palete de cores variada onde se evidencia o vermelho do atum, o amarelo do maracujá e o rosa do sal, entre outras tonalidades. O resultado já pode ser saboreado: Hammachi (€12), uma iguaria feita com lírio australiano em sashimi, salada de salicórnia e wakame, vinagrete de pesto e sal negro. “Escolhi um peixe gorduroso, muito saboroso, cortado fininho, entre uma fatia de sashimi e um carpaccio”, explica Daniel Rente. Nas carnes, destaca-se o wagyu truffle (€20), um tataki da vazia de wagyu com trufa e tempura de shimeji (cogumelos). Nas sobremesas, o chefe aconselha o sundae miso (€6,50), um gelado de nata com caramelo de miso, crumble de Oreo e biscoito de waffle.

Avenida SushiCafé > R. Barata Salgueiro, 28, Lisboa > T. 21 192 8158 > seg-qua 12h-30-15h30, 19h30-23h30, qui-sáb até às 0h30

Marinada de Camarão, na Peixaria da Esquina

Marinada de Camarão, na Peixaria da Esquina

Jorge Simões

5. Peixaria da Esquina

Há duas semanas que a ementa da Peixaria da Esquina, em Lisboa, apresenta novos sabores. “Fizemos pequenas alterações na carta, ajustes à estação”, diz Hugo Nascimento, um dos responsáveis pela cozinha e gestão, juntamente com Vítor Sobral. Dos novos pratos fazem parte o camarão marinado com manga, coco e poejos (15,65€), “um prato fresco, saudável e de sabor frutado a manga, coco e poejo, que pode funcionar como entrada ou prato principal”, acrescenta. “Vai-se perdendo este paradoxo de entrada e prato principal, principalmente na Peixaria da Esquina, onde se incentiva a partilha à mesa.”

Nas novidades, Hugo Nascimento destaca, ainda, a cataplana de lavagante (€89,85), por ser “um elemento icónico da gastronomia portuguesa, feito a pedido de alguns clientes que muito apreciam este peixe”. Por fim, o chefe de cozinha fala das lulas salteadas com shitake, favas e coentros (€14,90), por “estarmos na sua época”. Há de tudo um pouco nesta nova ementa, desde uma marinada de camarões, passando por peixes grelhados a carvão, não esquecendo uma açorda de bacalhau, descreve Hugo Nascimento.

Peixaria da Esquina > R. Correia Teles 56, Lisboa > T. 91 21 387 4644 > ter-sex 19h30-23h, sáb-dom 12h30-15h30, 15.30h, 19h30-23h30

O prato polvo vs bacalhau - o árbitro é o ovo, um dos pratos que Olivier destaca na nova ementa

O prato polvo vs bacalhau - o árbitro é o ovo, um dos pratos que Olivier destaca na nova ementa

Pedro Sampayo Ribeiro

6. Olivier

Com a nova decoração, ementa e esplanada, o restaurante Olivier Avenida deixa cair a segunda palavra do nome e assume-se agora simplesmnete como Olivier, nome do seu proprietário. Para ajudar na escolha, salienta algumas novidades da carta. São elas: Carpaccio de melão, pérolas de mozzarella, hortelã e presunto (€14), massa da minha tia Carolina, feita com linguini com tomate e pesto (€13) que, diz, “fica super bem com a picanha ou qualquer outra carne”, e o polvo vs bacalhau – o árbitro é o ovo (€30, duas pessoas). Nas sobremesas a atenção vira-se para a bomba branca com gelado de chocolate branco merengado e frutos vermelhos (€7).

“Nesta reformulação, mudámos bastantes coisas. Quis recriar um conceito que assenta numa nova cultura de comida, a comida pop, de sabor caseiro, bem confecionada e a um preço muito acessível. Essas foram as preocupações desta nova ementa, porque o que quero é que o Olivier seja aquilo que sempre foi: um restaurante, hype, pop, para pessoas que querem divertir-se e que querem vir comer um hamburguer ou um bife e até quem queira beber vinhos caros”, resume. A carta está pensada para todos os gostos e bolsas, desde os €30 até aos três mil euros.

Olivier > Av. Liberdade Lisbon Hotel > R. Júlio César, 7, Lisboa > T. 21 317 4105 > seg-sex 12h-15h, 20h-24h, sáb 20h-24h

Asa de raia assada em manteiga de ervas e pés de porco, maçã glaceada e creme de feijão preto é um dos pratos que se destaca da nova ementa do Lab by Sergi Arola, em Sintra

Asa de raia assada em manteiga de ervas e pés de porco, maçã glaceada e creme de feijão preto é um dos pratos que se destaca da nova ementa do Lab by Sergi Arola, em Sintra

7. Lab by Sergi Arola

Depois do ouriço, do pombo e da rã das ementas anteriores, é a vez de chegarem à mesa do restaurante Lab by Sergi Arola, em Sintra, os jaquinzinhos. Nesta nova entrada, apresentada há três semanas, o peixe é grelhado nas brasas, e vem acompanhado por esferas de vermuth e gnocchis de algas e caviar (€39). “Na altura em que estávamos a criar esta carta, o chefe Sergi Arola pediu-me para arranjar um peixe pequeno, como as míni sardinhas, mas por uma questão de sustentabilidade, sugeri os jaquinzinhos, como alternativa”, diz Milton Anes, o chefe executivo do Sergi by Arola, distinguido o ano passado com uma Estrela Michelin. Ainda nas entradas, destaca-se a Homenagem a Michel Guérard, o chefe francês, considerado o fundador da nouvelle cuisine, do qual Sergi Arola é um grande admirador. O prato clássico de Michel Guérard, o pot-au-feu (€49), no Lab by Sergi Arola, sabe a mar e não a carne. “É um cozido feito com nabo, cenoura, couves e carne de vaca cozida. O que fizemos foi retirar a carne e acrescentar o salmonete, vieira, mexilhão, ostra e linguado”, explica Milton.

Já nos pratos principais, sugere-se a dupla leitão e carabineiro (€59), dois ingredientes que combinam muito bem, segundo Milton Anes: “Aqui em Portugal não é consensual comer leitão sem a pele crocante, mas é com a pele mole que vai no prato, por uma questão de gosto pessoal do Sergi Arola.” Asa de raia assada em manteiga de ervas e pés de porco, maçã glaceada e creme de feijão preto (€24) é outra das sugestões. Para terminar o jantar (não se servem almoços) com a boca doce, pode pedir-se a sobremesa Fava de Cacau (€10), feita com chocolate, praliné e fava tonka ou uma fatia do Abade de Priscos (€10), aqui apresentada em forma de porco: “Uma homenagem à quantidade de gordura que o doce leva”, termina Milton Anes.

Lab by Sergi Arola > Penha Longa Resort, Estr. da Lagoa Azul, Sintra > T. 21 924 0111 > qui-sáb 19h-22h30