Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Seis perguntas a José Avillez, o 'rei' do Chiado

Comer e beber

  • 333

Tem seis restaurante no Chiado, em Lisboa, e acaba de abrir mais um – o Beco-Cabaret Gourmet. José Avillez é um dos chefes de cozinha do roteiro gastronómico de Lisboa que passa cada vez mais pelo Príncipe Real e pelo Chiado, e que faz o tema de capa desta semana da VISÃO Se7e, esta quinta-feira nas bancas

José Avillez acabou de abrir o Beco-Cabaret Gourmet, que fica dentro do Bairro do Avillez, um dos seus restaurantes no Chiado

José Avillez acabou de abrir o Beco-Cabaret Gourmet, que fica dentro do Bairro do Avillez, um dos seus restaurantes no Chiado

Não sabemos se José Avillez possui o dom da ubiquidade, mas que tem a capacidade de transformar em ouro tudo o que toca, lá isso tem. É que ser chefe de cozinha de cinco restaurantes e de um “Bairro” no Chiado – e mais outro restaurante no Porto, programas na televisão, uma empresa de take-away, livros, vinhos –, é obra, a exigir trabalho certeiro e equipa bem oleada. José Avillez estreou-se no Chiado, em nome próprio, com o seu Cantinho do Avillez, em setembro de 2011. E não mais parou: Pizzaria Lisboa, Café Lisboa (no Teatro Nacional de São Carlos), Mini Bar (no Teatro Municipal São Luiz).

O parágrafo maior abre-se para falar, primeiro, no premiado Belcanto, onde a sua criatividade mais sobressai – é o único restaurante em Lisboa com duas Estrelas Michelin e presença na lista The World’s 50 Best Restaurants 51-100 (ficou em 78.º lugar, em 2016). Depois para explicar o Bairro do Avillez: mil metros quadrados de área, a ocupar parte dos claustros do antigo Convento da Trindade, onde funciona uma taberna, uma mercearia, uma charcutaria, uma marisqueira e – acabadinho de estrear – o Beco-Cabaret Gourmet. Uma sala com passagem secreta, decoração inspirada nos anos 1920 e 1950, que só abre ao fim do dia para um jantar-espetáculo e onde só entra quem tiver bilhete.

Como surgiu a abertura do seu primeiro restaurante – O Cantinho do Avillez – no Chiado?

Quando resolvi deixar o Tavares para abrir os meus próprios restaurantes, já me tinha apaixonado pela área do Chiado e procurei espaços na zona. Com esta procura, encontrei o espaço que viria a ser o Cantinho do Avillez e fiquei a saber que a proprietária do Belcanto tinha interesse em vender o restaurante. Comecei a preparar estas duas aberturas ao mesmo tempo. A remodelação do Belcanto demorou um pouco mais, e, por isso, abri o Cantinho do Avillez em Setembro de 2011 e o Belcanto em Janeiro de 2012.

Neste momento são 6 restaurantes no Chiado – sendo que o Bairro do Avillez é muito mais do que um restaurante. Este crescimento só fazia sentido se fosse no mesmo bairro, beneficiando e tirando partido da proximidade?

Não foi um crescimento planeado. Os espaços foram surgindo e os conceitos foram sendo trabalhados. A questão da proximidade tem ajudado muito na gestão diária, no entanto, quem sabe se o futuro passará por outra zona. Até porque já temos o Cantinho do Avillez no Porto, que foi o primeiro restaurante a abrir fora do Chiado, e tem corrido muito bem.

O Belcanto foi o primeiro restaurante em Lisboa a ser distinguido com duas estrelas Michelin (que manteve) e o José Avillez o primeiro chefe de cozinha português a receber esta distinção em Portugal. O seu dia-a-dia é bem mais preenchido. Qual é o grande desafio?

Hoje, a dimensão é outra e o grande desafio é gerir o tempo.

Há diferenças entre o Chiado de 2011 e 2017?

Muitas. De ano para ano, a zona do Chiado tem vindo a ganhar vida e uma nova dinâmica. Têm aberto de forma sucessiva, no Chiado e nos bairros circundantes, novas lojas, marcas como a Zilian, a Vida Portuguesa – que tem recuperado várias marcas portuguesas –, novos restaurantes, hotéis e hostels. A vida cultural também ganhou um novo impulso. É um bairro com charme, história e cultura.

Como vê esta concentração de restaurantes no Chiado e no Príncipe Real?

Se forem projetos de qualidade, vejo com bons olhos, pois acredito que podem valorizar os bairros, mas é mesmo importante que tenham qualidade.

Todos os seus restaurantes são diferentes. A haver espaço para mais um, que restaurante seria?

O novo, o Beco - Cabaret Gourmet [que fica dentro do Bairro do Avillez]. É um espaço que apresenta uma cozinha criativa e momentos de entretenimento. Inspirado nos clubes dos anos 20 e 50, tem um ambiente especial, envolto em algum mistério.

Cantinho do Avillez > R. Duques de Bragança, 7 > T. 21 199 2369 > seg-sex 12h30-15h, 19h-24h, sáb-dom 12h30-24h > Belcanto > Lg. de São Carlos, 10 > T. 21 342 0607 > ter-sáb 12h30-15h, 19h-23h > Café Lisboa > Lg. de S. Carlos, 23 > T. 21 191 4498 > seg-dom 12h-24h > Mini Bar Teatro > R. António Maria Cardoso, 58 > T. 21 130 5393 > seg-dom 19h-1h > Pizzaria Lisboa > R. Duques de Bragança, 5H > T. 21 155 4945 > seg-sex 12h30-15h, sáb 12h30-24h, dom 12h30-23h > Bairro do Avillez > R. Nova da Trindade, 18 > T. 21 583 0290 > seg-dom 12h-24h77