Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Vértice, o auge da elegância

Comer e beber

  • 333

O crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva, recorda a história de um espumante português criado nos anos 80 e já consagrado a nível nacional e internacional

Só há champanhe na região francesa de Champagne, tal como só há Porto na mais antiga região demarcada do mundo, que é o Douro. Mas por todo o lado se fazem espumantes, alguns de qualidade comparável aos de Champagne, como o Vértice, que é genuinamente português, criado em Alijó, na sub-região de Cima Corgo. Berço Douro, portanto.

A história deste vinho começa no início da década de 80, quando o engenheiro químico João Carvalho Maia, depois de trocar Cascais pelo Douro, vai para Napa Valley, onde conhece a Schramsberg Vineyards, empresa dedicada à criação e desenvolvimento de vinhos espumantes de qualidade superior, segundo os métodos de Champagne. No regresso, convida o dono daquela empresa, Jack Davies, a visitar o Douro. E da subsequente troca de experiências, que passaram pela escolha da região mais indicada para a criação e desenvolvimento de vinhos espumantes de qualidade a partir das suas castas tradicionais – escolha que recaiu no Cima Corgo – resultou a fundação a empresa Caves Transmontanas, em 1988, detentora da marca Vértice. Em 1989 juntou-se-lhe o enólogo Celso Pereira, responsável pelos espumantes Vértice, até hoje.

A justificação do seu êxito está na aliança “entre a clássica tradição dos espumantes naturais (la Méthode Champenoise) e a mais antiga região vitícola demarcada no mundo, o Douro, que lhe conferem uma impressionante consistência na qualidade”, diz Celso Pereira.

Distintos, estes vinhos são tão apetecíveis para beber socialmente com os amigos, como para aperitivo ou para acompanhar a refeição, do princípio ao fim. Convém, todavia, escolher o estilo de espumante mais adequado para cada ocasião, naturalmente os mais vivos, leves e delicados para aperitivo e os mais vigorosos e intensos para os pratos elaborados.

Vértice Cuvée (não datado) Incorpora vinhos das colheitas de 2009, 2010 e 2011, à maneira dos grandes clássicos de Champagne. Daí resulta a grande complexidade de aromas e de sabores que apresenta, revelando-se muito sedutor. Tem acidez vibrante e um equilíbrio perfeito. Ideal para aperitivo, mas também acompanha com elegância pratos de peixe ou de aves. €13,90

Vértice Rosé (2013) É uma expressão de alegria com a bela cor salmonada, a corrente contínua de bolhas finas, o aroma frutado (boas notas de frutos vermelhos) e floral e o paladar vivo, fresco, elegante. A leveza e a vivacidade fazem com que tanto apeteça bebê-lo sozinho como a acompanhar canapés, saladas, mariscos e peixes grelhados. €14,80

Vértice Gouveio (2007) Feito exclusivamente de uvas da casta Gouveio, este vinho prova, sem margem para dúvidas, que o desafio das Caves Transmontanas para criar espumantes de qualidade superior no Douro está ganho. Com 60 meses de estágio em garrafa, tem bolha finíssima, aroma complexo e rico, excelente estrutura e muita, muita elegância. Ombreia com os melhores em qualquer lugar. Imprescindível à mesa. €24,90