Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Moinho Ibérico: Aqui a carne é o forte

Comer e beber

  • 333

O mar está perto, mas é nas terras longínquas de Lamego que se produzem as carnes que lhe dão fama. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva sobre o restaurante Moinho Ibérico a chegar ao Magoito, em Sintra

Vamos em direção à praia do Magoito, no extremo norte do concelho de Sintra, e detemo-nos pouco antes de entrar na povoação, junto de um grande moinho, à beira da estrada. É ali que se encontra o Moinho Ibérico, restaurante especializado em grelhados, como diz o letreiro colocado no acesso ao parque de estacionamento privativo e ao interior do estabelecimento. O que nos move, e a quase todos os clientes, é a qualidade carnes, sejam de vitela barrosã, mirandesa ou “de Lamego”, esta de raça arouquesa, mas produzida fora da região de denominação de origem e por isso não assinalada, sejam de porco ibérico. As carnes são nacionais, exceto a picanha e o veado, e quase todas de produção própria, numa pequena exploração pecuária, em Lamego. Entramos num espaço simples e acolhedor com duas salas, uma para fumadores, que é a mais recolhida, e outra para não fumadores, que tem a grelha à vista. O ambiente é descontraído, simpático, familiar.

Trazem-nos pão, tostas, manteiga, farinheira com mel e canela, queijo do Azeitão, queijinhos frescos (que são melhores do que parecem, tal como o presunto) e perguntam se os queremos. Entretanto, verificamos que a ementa não se limita às carnes e tem bacalhau, robalo, dourada (todos de tamanho que dá para duas pessoas), sardinha (na época) e polvo à lagareiro merecedores de apreço. Mas o predomínio das carnes é evidente: o bife à Moinho é um lombo inteiro (cerca de 1,1kg, para 4 pessoas) que leva um golpe em cima, vai à grelha apenas com sal, durante o tempo exato; a posta e os nacos de vitela mirandesa, do lombo; o naco de vitela barrosã, do acém; os lagartos de porco ibérico, extraídos do entrecosto desossado; e o bife de carne maturada (carne do acém com a gordura adequada à maturação de apenas 28 dias, mas suficiente para concentrar os sabores) são exemplos do que há de melhor e mais recomendável no Moinho Ibérico, onde tudo tem qualidade. Doçaria comum bem feita. Garrafeira com vinhos não muito conhecidos, maioritariamente das gama baixa e média, que podem ser servidos a copo, a pedido. Serviço simpático.

Moinho Ibérico > Av. dos Moinhos do Arneiro, Arneiro dos Marinheiros, Magoito, Sintra > T. 91 634 397 > qua-seg 12h30-15h30, 19h30-23h (alargado no verão) > €20 (preço médio)