Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Café, café

Visão Se7e

  • 333

Filipe Paiva

"É para rosca, máquina de filtro, cafeteira de pressão...?"

A pergunta vai ouvi-la se for comprar café à Casa Angola, na parte exterior do Mercado Municipal de Matosinhos. Hoje a loja está em frente à praça de táxis, dantes ficava mesmo virada para a paragem do elétrico e "vinha muita gente do Porto aqui comprar café", diz quem já conta mais de 42 anos atrás do balcão. Fernanda Gomes tem clientes que "já cá vinham em pequenos com os pais ou os avós".

Muitos nem precisam de pedir. Ela já sabe o café que querem e como o preparam em casa. Aqui, o café mói-se na hora (há também quem prefira levar em grão), de acordo com a máquina ou a cafeteira que o cliente usa em casa. Os fregueses regulares têm até uma amostra num armário da loja (há mais de 300, metidas em pequenos saquinhos de plástico) do tipo de moagem de que gostam só olhando para ela os funcionários conseguem obter exatamente o ponto desejado.



Rui Moreira, o proprietário e neto dos fundadores da Casa Angola, conta no exterior (lá dentro é impossível fazer entrevistas, há sempre o barulho de fundo dos três moinhos de 1954 a funcionar) que a maioria dos clientes ali vai semanalmente: "É o tempo certo para manter a força e o aroma que o café necessita". Fala com orgulho na casa que remonta a 1932 e está neste local desde a década de 50.



A avó, Elvira Oliveira, já faleceu, mas em vida fez cerca de cem lotes diferentes, misturando cafés de várias origens. O mais popular é o "lote particular", "um café forte que fazia com que os pescadores de Matosinhos ficassem acordados e quentinhos durante a faina noturna". Rui recuperou-o para fazer café expresso (na altura era de saco) e diz que é bem ao gosto português - "cheio de corpo e com espuma". Há muitos lotes - o 100% arábica, a mistura à base de chicória e café puro que permite fazer a meia de leite tradicional, por exemplo e os clientes também podem determinar as combinações.



Só não se pode é tomar café na Casa Angola. E é pena porque, com aquele cheirinho, bem que dá vontade.





CASA ANGOLA

Mercado Municipal de Matosinhos

R. França Júnior, 51

T. 22 937 1833

Seg-Sex 9h-19h, Sáb 9h-13h