Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

"As pretas" de Alfama

Visão Se7e

  • 333

A Bela de Alfama juntou-se com a amiga Fernanda e abriu um novo restaurante

Quarto Cortadoria Nacional de Pelo.
1 / 5

Quarto Cortadoria Nacional de Pelo.

Quarto FEPSA.
2 / 5

Quarto FEPSA.

Quarto Heliotêxtil
3 / 5

Quarto Heliotêxtil

Quarto Helsar.
4 / 5

Quarto Helsar.

Quarto Museu de Chapelaria.
5 / 5

Quarto Museu de Chapelaria.

Há cerca de um mês, abriu um novo restaurante em Alfama. Chama-se As Pretas e a data de inauguração - 12.12.12 - é, no mínimo, curiosa. "Foi um acaso", diz Anabela, a célebre Bela de Alfama que, depois da tasca de Vinhos e Petiscos, um dos pontos de referência daquele bairro, viu concretizado o sonho de ter um espaço com a amiga Fernanda.

"Trabalhámos juntas na Mesa de Frades e é desse tempo que vem a vontade de termos um restaurante juntas", continua. "Ao fim da noite, a frase era sempre a mesma: 'Credo, trabalhámos que nem umas pretas!' Sem querer faltar ao respeito, entenda-se!". E vai daí, o nome estava escolhido.

Do antigo talho que ocupava o espaço, ficaram o chão e o mármore nas paredes, um imponente frigorífico agora transformado em garrafeira, a máquina registadora e os ganchos para a carne feitos cabides. Quanto ao que queriam que esta casa fosse, Bela e Fernanda não tinham dúvidas: "Um espaço pequeno, não para turistas e com comida portuguesa", resumem.

No que ao menu diz respeito, todos os dias há três pratos de carne e outros tantos de peixe, que vão variando entre os peixinhos da horta, pescadinhas de rabo na boca, raia frita, carapaus de escabeche, arroz de língua de bacalhau, costeletas de borrego com molho de hortelã ou o arroz de cabidela (entre ¤8 e 12 euros). "Tudo depende do que houver no mercado e do que me apetecer fazer", esclarece Bela. Todos os pratos podem virar um petisco, caso apeteça provar um bocadinho de cada, e não existem acompanhamentos pré-definidos, o cliente é que escolhe. "Só não há batatas fritas! São pequenos mimos que gostamos de fazer, como se estivessem em casa", dizem.

Como "as pretas" gostam de um bom vinho, há serviço de rolha (¤3,50) e, se pretende promover um jantar para amigos, mas não tem espaço em casa, também pode "ocupar" a cozinha e tornar-se chefe de um restaurante por um dia. A Bela dá-lhe uma ajuda e a Fernanda tem todo o prazer em servir.

 

Anabela Faria e Fernanda Gonçalves

A amizade que as une começou quando trabalhavam no Mesa de Frades, restaurante e casa de fados, na Rua dos Remédios. Foi há dez anos, tantos quantos Anabela (ou a Bela de Alfama, como é conhecida) leva do bairro lisboeta onde mora. Em janeiro de 2010, Bela abriu a Vinhos e Petiscos, também na rua dos Remédios, onde se serve chouriço e morcela assados, carapaus de escabeche, saladinha de favas ou de grão com bacalhau, polvo e vinagreta de feijão-frade e pataniscas. Aos domingos e às quartas, canta-se o fado, as terças à noite são de poesia e às quintas-feiras há música ao vivo. O sonho de terem um restaurante juntas concretizou-se agora, com As Pretas, na Rua do Vigário.

 

AS PRETAS R. do Vigário, 70 B/C Lisboa T. 96 903 3033/92 6077511. Seg-dom 19h-2h (cozinha aberta até 1h30)