Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

The Passenger Hostel: Dormir em primeira classe no Porto

Visão Se7e

É um hostel de charme, o The Passenger que acaba de abrir na Estação de São Bento, no Porto, com total respeito pela traça do edifício de Marques da Silva construído em 1916

O The Passenger Hostel quer organizar workshops de cozinha para os hóspedes e, para o ano, deverá abrir um restaurante

O The Passenger Hostel quer organizar workshops de cozinha para os hóspedes e, para o ano, deverá abrir um restaurante

Ninguém fica indiferente quando atravessa a porta, vindo da Rua da Madeira ou vindo pelo interior da estação de São Bento, no Porto. O The Passenger Hostel, aberto nos primeiros dias de julho, não é um hostel qualquer. Nem podia ser, justifica Rita Correa Figueira, da empresa F2IS, concessionária deste edifício com mais de 100 anos, classificado como Património da Humanidade. “É um projeto de enorme responsabilidade. Tentámos preservar o que existia, repusemos o que era original, foi desafiante tentar humanizar este espaço”, conta, enquanto nos guia pelos três pisos, subindo a enorme escadaria de madeira, que se mantém como outrora, tal como as janelas, portas, tetos e chão.

Os seis metros de altura do pé-direito constituíram um dos maiores desafios da obra, ultrapassado com a criação de mezzanines nos sete quartos do primeiro piso (para duas ou quatro pessoas, com sala incluída) e nos quartos com camaratas para homens, mulheres e mistas (ao todo são 82 camas) no segundo piso. “É um hostel, e não um hotel de charme, porque foi a única forma que permitiu preservar o projeto original de uma maneira não intrusiva”, continua Rita Correa Figueira, que decorou também os interiores de uma forma harmoniosa, confortável e com total respeito pela história do edifício de 1916, do arquiteto Marques da Silva.

Foi tudo pensado ao detalhe: a música ambiente que se ouve nas casas de banho partilhadas, a lavandaria, as cozinhas comuns (são duas), onde nada falta, os equipamentos com eficiência energética, o piano de 1906, instalado na zona do lobby e do bar, de onde se veem os comboios a chegar à estação. Há várias salas comuns e, em breve, há de nascer uma livraria criada pelos hóspedes num lugar que já serviu de arquivo. No terceiro piso, onde se encontra a cozinha comum maior (que serve os pequenos-almoços) será feita mais uma sala de lazer com um jardim interior. A zona dá acesso à imponente sala da torre do relógio, fechada por agora, mas que Rita Correa Figueira acredita poder vir a ser aberta à cidade com atividades culturais.

The Passenger Hostel > Estação de S. Bento e Praça Almeida Garrett, Porto > T. 96 380 2000 > €23 a €27/camaratas (pequeno-almoço incluído), €70/ duas pessoas (quartos com mezzanine); suíte a partir de €190