Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Universo é 100 milhões de anos mais 'velho' do que se pensava

Sociedade

  • 333

O telescópio espacial Planck, que foi lançado pela Agência Espacial Europeia em Maio de 2009, permitiu aos cientistas fazerem uma nova descoberta: o universo é mais velho do que se pensava. VEJA AS IMPRESSIONANTES IMAGENS DA NASA

Chegue atrasado Por duas razões: Em primeiro lugar para evitar ter de fazer sala com aquela colega aborrecida com quem nunca trocou uma palavra e que é sempre a primeira a chegar; E em segundo, porque, assim, quando chegar, todos terão uma desculpa para interromper as conversas de circunstância: "Olha quem chegou!"
1 / 3

Chegue atrasado Por duas razões: Em primeiro lugar para evitar ter de fazer sala com aquela colega aborrecida com quem nunca trocou uma palavra e que é sempre a primeira a chegar; E em segundo, porque, assim, quando chegar, todos terão uma desculpa para interromper as conversas de circunstância: "Olha quem chegou!"

Nunca se ofereça para planear... e muito menos para limpar Os "homens a sério", garante a GQ, deixam os detalhes sujos para os outros, porque estão ocupados a ter ideias fantásticas
2 / 3

Nunca se ofereça para planear... e muito menos para limpar Os "homens a sério", garante a GQ, deixam os detalhes sujos para os outros, porque estão ocupados a ter ideias fantásticas

Leve sempre um acompanhante É a melhor desculpa para ser anti-social
3 / 3

Leve sempre um acompanhante É a melhor desculpa para ser anti-social

Foi revelado pela European Space Agency (ESA) um mapa mais detalhado do universo, 380 mil anos antes do Big Bang. A conclusão principal a que os cientistas chegaram foi que na verdade, o universo é 100 milhões de anos mais velho do que se pensava: tem, segundo a NASA, 13.8 mil milhões de anos, quando se terá dado o Big Bang.

O novo mapa mais pormenorizado surge depois do telescópio espacial Planck ter sido lançado pela Agência Espacial Europeia, em Maio de 2009. São agora mais visíveis alguns detalhes como diferenças de temperatura da radiação cósmica de fundo -  a azul surgem as regiões mais frias e a laranja as mais quentes. Foi nas regiões ligeiramente mais quentes que nasceram as galáxias, grandes ilhas de concentração de matéria.

Estas diferenças no mapa permitiram aos cientistas obter mais informações acerca do que era o universo como o conhecemos, antes do Big Bang, e assim calcular com maior precisão a idade deste.

Os dados do telescópio espacial Planck mostraram também novas informações acerca da energia escura - até hoje pensava-se que representava 71,4% da matéria do universo, quando na verdade figura um pouco menos, 68,3% - esta energia contraria os efeitos da gravidade e ajuda o Universo a expandir-se.