Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O vinagre pode salvar milhares do cancro

Sociedade

  • 333

Simples e barata, uma técnica aplicada por um médico indiano pode evitar 73 mil mortes por cancro do útero por ano. LEIA AS CRÓNICAS DA ENVIADA ESPECIAL DA VISÃO à maior reunião de oncologia do mundo, em Chicago

Da próxima vez que temperar a sua salada, lembre-se que o vinagre é muito mais do que um condimento. Num estudo apresentado na ASCO, em Chicago - a maior reunião de oncologia do mundo - o médico indiano Surendra Shastri fez furor ao apresentar os resultados de um estudo que avaliou a utilização do vinagre como método de diagnóstico precoce do cancro do colo do útero.

Na Índia, bem como em muitos países em desenvolvimento, este tipo de cancro é a principal causa de morte entre as mulheres, que não têm acesso ao teste de Papa Nicolau - a norma para o rastreio nos países ocidentais.

O método é tão simples que parece duvidoso. Mas uma pesquisa que envolveu 150 mil mulheres, acompanhadas durante 15 anos, apresentada na sessão plenária da ASCO, está acima de qualquer suspeita. Há já muito tempo que se sabe que as células infetadas com HPV (Papiloma Vírus Humano) - o vírus causador deste cancro - mudam de cor quando entram em contacto com o vinagre, ou ácido acético.

O que Shastri fez foi formar um batalhão de mulheres - com o 10º ano de escolaridade e uma boa capacidade de comunicação - para passar um algodão embebido em vinagre na base do colo. O resultado surge num minuto e o custo é residual. Um diagnóstico positivo implica o seguimento para um hospital com capacidade de tratamento da doença.

Estima-se que esta estratégia possa salvar 22 mil mulheres por ano, na Índia. Cerca de 73 mil em países de pobres recursos. Num tempo em que o preço dos medicamentos já é um entrave ao acesso aos tratamentos mais sofisticados, esta alternativa surge como um verdadeiro ovo de Colombo.