Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Fast food pode provocar asma nas crianças e jovens

Sociedade

  • 333

O consumo de "comida rápida" pelo menos três vezes por semana pode provocar doenças como asma e eczema em crianças e adolescentes, segundo as conclusões de um estudo do boletim especializado britânico "Thorax"

O consumo de "comida rápida" pelo menos três vezes por semana pode provocar doenças como asma e eczema em crianças e adolescentes, segundo as conclusões de um estudo do boletim especializado britânico "Thorax".

Um grupo de cientistas das universidades de Auckland, na Nova Zelândia, e de Nottingham, no Reino Unido, responsáveis pelo estudo, concluiu ainda que o consumo abundante de fruta tem um efeito preventivo no aparecimento daquelas doenças.

As conclusões do estudo resultam da análise de padrões de alimentação de mais de 500 mil crianças de 50 países e fazem parte de um documento mais vasto, o Estudo Internacional de Asma e Alergias na Infância.

Os cientistas verificaram que os jovens que comem mais refeições como hambúrgueres preparados e servidos em cadeia internacionais e restauração correm mais risco de desenvolver doenças como asma, eczema e irritações oculares e das vias respiratórias.

Entre os pré-adolescentes que consomem esses alimentos três ou mais vezes por semana, o risco de asma aumenta 39 por cento. Nas crianças de seis a sete anos, o risco aumenta 27 por cento.

No sentido inverso, o consumo de fruta três ou mais vezes por semana reduz entre 11 e 14 por cento o risco de sofrer de asma, de eczemas e de rinoconjuntivites

Em alguns casos, alimentos como o leite de vaca, ovos, peixe, marisco, leveduras, frutos secos e alguns corantes e conservantes podem agravar os sintomas, assinalaram os especialistas.

"Se a relação entre a comida rápida e a prevalência dos sintomas de asma, rinoconjuntivite e eczema é causal, as conclusões têm um grande impacto na saúde pública devido ao crescente consumo de comida rápida a nível global", assinalaram Innes Asher, da Universidade de Auckland, e Hywel Williams, da Universidade de Nottingham.