Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Eles levantam-se com as galinhas

Sociedade

  • 333

Acordam antes de o sol nascer para trabalhar sem interrupções, fazer exercício ou estar com os filhos. E sentem-se felizes por isso. Descubra truques e conheça as vantagens

São sete da manhã e há alguma claridade, mas o sol ainda não nasceu oficialmente quando Filipe Castro Matos, 25 anos, se põe a contar o que fez desde que se levantou. Duas horas e meia ao computador dão para muita coisa. Já respondeu a e-mails e atualizou o Facebook, sem ser interrompido por comentários. Depois, avançou com o seu trabalho na Startup Lisboa, uma incubadora de empresas. "Tenho a sorte de poder resolver assuntos profissionais quando quero e onde quero", sublinha. Quem vai saber que está a trabalhar de pijama à hora a que muitos jovens regressam a casa das noites?

O hábito de ver o sol nascer já era antigo quando, em abril, Filipe decidiu experimentar passar 21 dias a acordar às 4 e meia da manhã, seguindo uma velha teoria de que bastam três semanas para alterar uma rotina (os estudos mais recentes concluíram que são necessários dois a oito meses). Chamou-lhe #21earlydays, anunciou o desafio nas redes sociais e programou o smartphone para despertá-lo, sem piedade.

Os amigos chamaram-lhe "louco" e outros mimos impublicáveis. Mas, cinco meses depois, escreveu um artigo no Business Insider, um site com quase 2 milhões de likes no Facebook, e viu What I Learned By Waking Up At 4:30 A.M. For 21 Days ("O que aprendi a acordar às 4h30 durante 21 dias") receber perto de meio milhão de visualizações. Mais importante ainda, diz, é que continua a acordar com as galinhas sempre que resiste a fazer uma noitada com os amigos, porque concluiu que a mudança de rotina tem vantagens. "Sempre rendi pouco, ao final da tarde", ri-se. "Agora, sou mais produtivo e estou à vontade para correr ou treinar no ginásio, antes de ir para o escritório." 

Madrugadores de Portugal

 

 

Licenciado em Economia no Porto, Filipe divide um apartamento, em Lisboa, com sete pessoas que nunca tentou evangelizar. "Isto não é para toda a gente", avisa. "Para mim é fácil, porque tenho um horário flexível e ainda não sou pai." Por coincidência, quando falamos com Ricardo da Cruz de Carvalho, biólogo, de 34 anos, a primeira coisa que diz é que começou a levantar-se mais cedo porque os filhos lhe ocupavam todos os tempos livres, e ele queria recomeçar a fazer exercício. Afinal, era só pôr o despertador para as cinco e meia da manhã, descobriu ao tropeçar no blogue The Busy Woman And The Stripy Cat, de Rita Domingues, também bióloga, com quem criou a página de Facebook Bom Dia Manhãs.

 





Dois anos depois, a página, que já tinha mais de 4 mil membros, está a ser apagada, porque eram demasiados os "Bons dias" de brasileiros, naturalmente desfasados do fuso horário português. Ricardo e Rita criaram, entretanto, um outro grupo, Madrugadores de Portugal, que tem o mesmo objetivo - incentivar a prática de acordar mais cedo, aproveitando esse tempo para atividades de desenvolvimento pessoal.

Nestes dois anos, Ricardo ganhou mais um filho (tem três, de 5 anos, 3 anos e cinco meses) e tempo para começar o dia a correr ou a caminhar na Avenida da Liberdade, no Barreiro, o que o ajudou a perder 13 quilos. Depois de fazer exercício, compra o pão, prepara os lanches dos miúdos, ajuda-os a vestir-se e a tomar o pequeno-almoço, antes de rumarem até Lisboa. "Quando me levantava ao mesmo tempo que os meus filhos, era muito difícil, porque tenho um péssimo acordar", confessa. "Agora, passo uns bons momentos com eles, logo de manhã, e chego à Faculdade [de Ciências] bem-disposto."

Manhãs serenas

 

Ricardo deita-se às onze da noite e tem a sorte de adormecer logo. Rita Domingues, 35 anos, mãe de dois rapazes de 9 anos e 8 anos, tenta fazer o mesmo diariamente mas, às vezes, perde-se por um livro e, nas manhãs seguintes, já sabe que não vai levantar-se às 6 da manhã para fazer meditação e praticar yoga. "Quando isso acontece, o dia já não me corre tão bem", lamenta.

A bióloga e bloguer fez muitas noitadas nos seus tempos de estudante, mas depois de ser mãe percebeu que trabalha melhor de manhã. Tudo começou quando quis ter mais tempo para si própria. "Se iniciamos o dia com um objetivo, ficamos calmos e produtivos", aprendeu e agora ensina no minicurso Como Acordar Cedo e Ter uma Manhã Serena, 32 páginas que vende por 5 euros.

Mesmo depois da sua hora e meia de práticas espirituais e de levar os filhos à escola, Rita consegue chegar cedo à Universidade do Algarve, pronta a concentrar-se na sua investigação sobre a influência das alterações climáticas no fitoplâncton. Quem disse que as galinhas são burras?