Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Dez anos depois, imagens para recordar a Feira Popular

Sociedade

  • 333

Foi há 10 anos que a Feira Popular de Lisboa fechou definitivamente as portas. O local, que foi destino de diversão para várias gerações, continua ao abandono e sem futuro definido. Recorde o espaço e veja como está agora VEJA AS FOTOS

Angra dos Reis
1 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
2 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
3 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
4 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
5 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
6 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
7 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
8 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
9 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
10 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
11 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
12 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
13 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
14 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
15 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
16 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
17 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
18 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
19 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
20 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
21 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
22 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
23 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
24 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
25 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
26 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
27 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
28 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
29 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
30 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
31 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
32 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
33 / 34

Angra dos Reis

Angra dos Reis
34 / 34

Angra dos Reis

Depois de uma última temporada, com início em março de 2003, a Feira Popular encerrou definitivamente em outubro desse ano, deixando o terreno, com 100 mil metros quadrados, sem destino certo.

Na altura, o então presidente da Câmara de Lisboa, Pedro Santana Lopes, acenava com a criação de um novo parque de diversões para substituir o já degradado espaço.

Dez anos depois, o terreno permanece em ruínas, ocupado apenas por ervas daninhas e toxicodepentes. Em março deste ano, a presidente da Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, Idalina Flora, descrevia também casos de prostituição masculina, mesmo à luz do dia.

Enquanto a capital não tem um novo parque de diversões, os mais saudosos partilham recordações numa página no Facebook que tem mais de 2 mil seguidores.