Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Detetadas falhas na conservação do peixe fresco em várias peixarias

Sociedade

  • 333

O peixe vendido aos consumidores é fresco, mas mal conservado no frio, conclui um estudo da DECO Proteste, que analisou 69 amostras de pescado fresco de 31 peixarias da Grande Lisboa, do Grande Porto e de Setúbal

O estudo da associação de defesa do consumidor é publicado na edição de fevereiro da revista Proteste.

Amostras de cinco espécies de peixe fresco barato - sardinha, cavala, truta, faneca e carapau - foram compradas pela DECO entre agosto e setembro de 2012 e avaliadas segundo cinco parâmetros: informação ao consumidor, temperatura de venda, parasitas, frescura e conservação/higiene.

A análise concluiu que os estabelecimentos visados tinham, de facto, peixe fresco, mas a maioria chumbou no que diz respeito à temperatura de conservação, com o pescado fresco a ser mantido entre os 7º e os 11º, quando o recomendável é uma temperatura próximos dos zero graus.

Tendo em conta todos os parâmetros, a Deco desaconselha a compra de peixe em seis peixarias: Continente do Centro Comercial Colombo, em Lisboa, para sardinhas, carapaus e fanecas; Mercado de Alvalade/Norte em Lisboa, Mercado do Livramento em Setúbal, Mercado do Bolhão no Porto, Jumbo de Alfragide e Mercado de Matosinhos para carapaus. 

A lista dos 19 pontos de venda que, pelo contrário, merecem avaliação positiva é liderada pelo Continente de Setúbal, sobretudo, para comprar a cavala. Para adquirir sardinhas os melhores são o Jumbo de Alfragide e o Mercado do Livramento, em Setúbal.