Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

De Negrais para o mundo

Sociedade

Foto: Tiago Miranda

Considerado "o novo Jamie Oliver", o cozinheiro irlandês Donal Skehan esteve em Portugal para descobrir como se assa um leitão. A receita centenária será revelada no seu novo programa de TV

O carrapito de Tia Alice mantém-se impecável, mesmo depois de uma tarde inteira de gravações. À beira dos 81 anos, e sem perceber uma palavra de inglês, a dona de um restaurante de leitão com o seu nome, em Negrais, portou-se que nem uma atriz experiente junto da equipa do canal por cabo Food Network, liderada pela apresentador irlandês Donal Skehan. Sempre de sorriso elegante no rosto.

Na rua faz um calor de ananases. Pior ainda ao pé dos três grandes fornos a lenha, que despacham 20 a 30 leitões por dia. É impossível não estar sempre a beber água e a maldizer a temperatura, que pode chegar aos mil graus quando as portas de ferro se fecham. António, o marido de Alice, é o único que parece indiferente à brasa. Passa ali os seus dias, aos 81 anos, por entre um leitão que entra salgado e temperado e outro que sai já tostadinho, no ponto. Naquele momento, só uma coisa o preocupa: que a rotina das gravações da série Follow Donal to Europe lhe estrague a qualidade do petisco que deu fama ao seu restaurante.

Lurdes, neta de António e Alice, também trabalha no negócio de família e encarrega-se de coordenar esta operação especial. De vez em quando, surge com águas, croquetes de leitão e batatas fritas para enganar a fome da equipa, que trocou as voltas às refeições. Além disso, sabe inglês e é amiga do foodie Diogo Correia (autor das Lisbon Foodie Walks, visitas guiadas gastronómicas), que o canal por cabo contratou para ajudar neste episódio sobre Lisboa e arredores.

O nome de Jamie Oliver não se ouviu por estes lados. Mas é impossível esquecer que Skehan, 28 anos, foi apelidado de "jovem cozinheiro brilhante" pelo mais famoso chef britânico da atualidade, ajudando a lançá-lo. Ao mesmo tempo, Oliver arrebatou o canal de YouTube de Skehan (com mais de 200 mil subscritores) para o seu Foodtube (que também agrega conteúdos de outros cozinheiros talentosos).

Até se sentar numa das mesas da Tia Alice, às cinco e meia da tarde, para se deliciar com esta receita de família com mais de 200 anos - que se faz acompanhar por um arroz de miúdos, batata às rodelas, salada e molho de pimenta -, Skehan ainda há de suar muito e compor várias vezes o cabelo com a cera que guarda na mala a tiracolo. Aliás, essa mala é uma das imagens de marca do autodidata que se fez estrela no YouTube. Nela carrega ainda uma Canon 5D, uma Lumix mais pequena, um iPhone branco, um bloco de notas, um selfiestick acabadinho de comprar e pomada para as picadas de insetos.

Volta à Europa, sempre à mesa

Lisboa pôs fim a um périplo de três semanas por cinco cidades europeias: Budapeste, Amesterdão, Ikaria e San Sebastian. Por isso, a equipa de cinco pessoas (gravam só com uma câmara para tudo parecer mais natural) nem se importa com o calor abrasador daquele dia. Até então, tinham sido perseguidos por chuva em todos os sítios.

Em agosto e setembro, depois do irlandês se casar com a namorada de toda a vida, retomarão as gravações na Croácia, Itália, Polónia, Suécia e Turquia. E só em outubro o resultado destas viagens começará a passar no pequeno ecrã. Este programa, que segue o apresentador por vários locais da Europa, surge depois do êxito de Follow Donal to... Vietnam, em que ele mergulhou bem fundo na cultura vietnamita, a ponto de não se importar de comer carne de ratazana do campo grelhada. "Achei-a muito saborosa, parece frango. Quando se diz não a uma coisa, perde-se a oportunidade. Há que ter os olhos bem abertos para tudo o que é bom", assegura.

O estilo de Skehan no ecrã é bastante informal e também isso o aproxima do "mentor" Jamie Oliver. De mala a tiracolo, calções caqui, ténis All Star azuis e camisa despreocupada, este jovem irlandês fala para as câmaras de forma enfática ("Lovely!", "Perfect!") e com gestos acentuados.

Likes nas redes sociais

Antes de chegarem à Tia Alice, supostamente num sidecar ("sou irlandês, não aguentaria este sol até aqui"), passearam por Belém, sem falharem os pastéis. Depois da maratona de leitões, foram ainda ao Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré, para duas receitas a quatro mãos com o chef Alexandre Silva, e comer sardinhas nos Santos Populares.

Enquanto não está a gravar, Skehan aproveita todos os momentos para tirar uma das suas máquinas da mala (adora fotografia), apontá-la em modo selfie, de braço estendido, para filmar alguns pormenores dos bastidores das cidades por onde tem passado e postá-los na internet. É definitivamente um rapaz das redes sociais, fazendo questão de alimentar, com bastante regularidade, as suas contas de Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Depois do casamento, irá participar numa conferência anual de youtubers, em Los Angeles, onde estarão os grandes gurus desse agregador de vídeos.

Só nos seus melhores sonhos o irlandês poderia imaginar que a cozinha ia entrar na sua vida de forma tão arrebatadora. Aprendeu a mexer-se por entre os tachos de forma natural, em casa, com a família, e começou a escrever um blogue (Good Mood Food) como um hobby, depois de ter deixado de cantar (teve uma boysband e chegou a representar, a solo, a Irlanda na Eurovisão).

As escolas de hotelaria passaram-lhe ao lado. "Faço apenas aquilo que a minha mãe me ensinou. Um das minhas receitas favoritas é um estufado: pá de borrego confecionado muito lentamente com batatas e vegetais." Mas a prática na cozinha ganhou-a apenas quando saiu de casa dos pais, aos 20 anos, para ir viver com a namorada sueca.

Como gosta de ensinar os seus truques, dedica-se também a escrever livros de receitas simples e caseiras (já publicou cinco títulos). A inspiração para cozinhar de forma saudável poderá ir buscá-la à loja de frutas e legumes que os pais gerem em Dublin, onde todos vivem.

Só conhece Portugal das férias no Algarve, em criança. Do pouco tempo que por cá passou, nestas gravações, ficou-lhe o desejo de descobrir o País com outra calma, para poder apreciar iguarias como o leitão, que esteve quase duas horas no forno. A Tia Alice estará, certamente, pronta a recebê-lo de novo, com o mesmo sorriso sereno e carrapito impecável. Mas, já agora, longe do forno.