Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

As estrelas da Dior

Sociedade

  • 333

Numa exposição, a griffe francesa presta agora homenagem às suas musas, que popularizaram a roupa da marca - do grande ecrã para a rua. VEJA A GALERIA DE FOTOS

Ava Gardner Roma, 1957 Lembrada como o mais belo animal do mundo, teve todo o guarda-roupa do filme The Little Hut (coprotagonizado pelo ator inglês David Niven) desenhado pelo estilista, mas só mais tarde se renderia ao glamour da griffe.
1 / 6

Ava Gardner Roma, 1957 Lembrada como o mais belo animal do mundo, teve todo o guarda-roupa do filme The Little Hut (coprotagonizado pelo ator inglês David Niven) desenhado pelo estilista, mas só mais tarde se renderia ao glamour da griffe.

Marlene Dietrich Em ‘Pânico nos Bastidores’, 1950 No ecrã e fora dele, foi a mais ardente das estrelas Dior. O estilista desenhou-lhe, também, o vestido que levaria à cerimónia dos Oscars, no ano seguinte, onde ouviu uma imensa ovação, com o público de pé.
2 / 6

Marlene Dietrich Em ‘Pânico nos Bastidores’, 1950 No ecrã e fora dele, foi a mais ardente das estrelas Dior. O estilista desenhou-lhe, também, o vestido que levaria à cerimónia dos Oscars, no ano seguinte, onde ouviu uma imensa ovação, com o público de pé.

Marilyn Monroe Los Angeles, 1962 A eterna loira vestiu Dior, para uma sessão fotográfica da revista Vogue, escassos meses antes de aparecer morta, em sua casa.
3 / 6

Marilyn Monroe Los Angeles, 1962 A eterna loira vestiu Dior, para uma sessão fotográfica da revista Vogue, escassos meses antes de aparecer morta, em sua casa.

Natalie Portman Nova Iorque, 2009 Cara do perfume Miss Dior, a atriz, de origem judaica, afastar-se-ia da marca por causa das declarações xenófobas do excêntrico estilista John Galliano, depois exonerado da griffe.
4 / 6

Natalie Portman Nova Iorque, 2009 Cara do perfume Miss Dior, a atriz, de origem judaica, afastar-se-ia da marca por causa das declarações xenófobas do excêntrico estilista John Galliano, depois exonerado da griffe.

Charlize Theron Versalhes, 2011 A silhueta aristocrática da atriz, na sala dos espelhos do famoso palácio francês, numa promoção do perfume J’adore.
5 / 6

Charlize Theron Versalhes, 2011 A silhueta aristocrática da atriz, na sala dos espelhos do famoso palácio francês, numa promoção do perfume J’adore.

Grace Kelly Nova Iorque, 1956 Radiosa, no Hotel Waldorf Astoria, a futura princesa do Mónaco escolheu celebrar o seu noivado num vestido de cetim branco Dior.
6 / 6

Grace Kelly Nova Iorque, 1956 Radiosa, no Hotel Waldorf Astoria, a futura princesa do Mónaco escolheu celebrar o seu noivado num vestido de cetim branco Dior.

É uma enorme vénia à 7.ª arte. A intensa e histórica relação de Christian Dior com o cinema e as suas celebridades desfila diante dos nossos olhos através da tremenda coleção de vestidos, croquis, acessórios e fotografias agora expostos na Villa Les Rhumbs, a mansão onde o estilista viveu durante a infância, na Normandia. Espalhada ao longo de três pisos, a exposição Stars in Dior apresenta imagens dos famosos modelos desenhados pelo fundador da marca, desde o início da sua carreira, quando criou a casa com o seu nome.

Filho de um comerciante de fertilizantes da região do Canal da Mancha, Christian Dior foi viver para Paris com o objetivo de estudar Relações Internacionais e, assim, cumprir o desejo do pai, que o queria na carreira diplomática. Secretamente, alimentava o desejo de ser artista plástico e começou a frequentar ateliês de pintura e desenho. A sua habilidade para desenhar roupas abriu-lhe outras portas: os traços e a visão que tinha do corpo feminino causaram um imenso fascínio e, em 1947, inaugurou a Mansão Dior, uma griffe cheia da elegância e do luxo, tão desejados no mundo do pós-guerra. 

Entre as suas primeiras clientes, destacou-se Marlene Dietrich, que assistiu ao desfile inaugural e ficou para sempre associada ao estilista francês. Escolhida pelo realizador Alfred Hitchcock para protagonizar Pânico nos Bastidores, em 1950, Marlene estava tão determinada em ser vestida por Dior para o filme que impôs logo a sua condição: "No Dior, no Dietrich."

Já Dior, esse, que faleceu em 1957, com 52 anos, dizia sempre: "O meu sonho é tornar as mulheres mais bonitas e mais felizes."

Guia Informações úteis

* A exposição está patente no Museu Christian Dior, em Granville, Normandia, França. * Decorre até 23 de setembro próximo, e pode ser visitada todos os dias, das dez da manhã às seis da tarde. * Preços de entrada: de €4 a €7.