Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Amazon pode deixar saúde mental dos funcionários em risco

Sociedade

  • 333

Uma investigação da BBC a um armazém da Amazon, no Reino Unido, revela condições de trabalho que um especialista alerta poderem causar problemas "físicos e mentais". VEJA AS FOTOS

A comitiva do antigo Presidente John F. Kennedy na rua de Fort Worth, Texas, a 22 de novembro de 1963 e o mesmo local, 50 anos depois
1 / 16

A comitiva do antigo Presidente John F. Kennedy na rua de Fort Worth, Texas, a 22 de novembro de 1963 e o mesmo local, 50 anos depois

Um polícia não identificado (e, à direita, o coordenador do Texas Theatre) indica o lugar onde Lee Harvey Osvald estava sentado quando foi detido pelo homicídio do agente J. D. Tippit, que o tinha detido para interrogatório 45 minutos depois da morte de J.F. Kennedy
2 / 16

Um polícia não identificado (e, à direita, o coordenador do Texas Theatre) indica o lugar onde Lee Harvey Osvald estava sentado quando foi detido pelo homicídio do agente J. D. Tippit, que o tinha detido para interrogatório 45 minutos depois da morte de J.F. Kennedy

Civis protegem crianças enquanto dois fotógrafos captam imagens da Dealey Plaza instantes depois dos disparos sobre John F. Kennedy. 50 anos depois, turistas fotografam o mesmo local
3 / 16

Civis protegem crianças enquanto dois fotógrafos captam imagens da Dealey Plaza instantes depois dos disparos sobre John F. Kennedy. 50 anos depois, turistas fotografam o mesmo local

JFK e a primeira dama Jacqueline Kennedy Onasis saúdam apoiantes em Dallas, em 1963
4 / 16

JFK e a primeira dama Jacqueline Kennedy Onasis saúdam apoiantes em Dallas, em 1963

A entrada do Parkland Memorial Hospital, em Dallas, com os agentes dos Serviços Secretos e da polícia a examinarem a limusina de Kennedy, na imagem à esquerda
5 / 16

A entrada do Parkland Memorial Hospital, em Dallas, com os agentes dos Serviços Secretos e da polícia a examinarem a limusina de Kennedy, na imagem à esquerda

O quintal de Lee Harvey Osvald, em 1963 e atualmente. Na fotografia de há 50 anos, Osvald empunha uma arma numa mão e jornais comunistas na outra
6 / 16

O quintal de Lee Harvey Osvald, em 1963 e atualmente. Na fotografia de há 50 anos, Osvald empunha uma arma numa mão e jornais comunistas na outra

Uma viatura da polícia de Dallas estacionada no local onde o agente J.D. Tippit foi atingido fatalmente a tiro por Lee Harvey Osvald
7 / 16

Uma viatura da polícia de Dallas estacionada no local onde o agente J.D. Tippit foi atingido fatalmente a tiro por Lee Harvey Osvald

Uma reconstrução do crime na Elm Street, ainda em 1963, e visitantes do local, na atualidade
8 / 16

Uma reconstrução do crime na Elm Street, ainda em 1963, e visitantes do local, na atualidade

Mais uma imagem da Dealey Plaza, com 50 anos de diferença
9 / 16

Mais uma imagem da Dealey Plaza, com 50 anos de diferença

A casa de Lee Harvey Osvald, em 1963 e em 2013
10 / 16

A casa de Lee Harvey Osvald, em 1963 e em 2013

A comitiva do antigo Presidente John F. Kennedy na rua de Fort Worth, Texas, a 22 de novembro de 1963 e o mesmo local, 50 anos depois
11 / 16

A comitiva do antigo Presidente John F. Kennedy na rua de Fort Worth, Texas, a 22 de novembro de 1963 e o mesmo local, 50 anos depois

Um polícia não identificado (e, à direita, o coordenador do Texas Theatre) indica o lugar onde Lee Harvey Osvald estava sentado quando foi detido pelo homicídio do agente J. D. Tippit, que o tinha detido para interrogatório 45 minutos depois da morte de J.F. Kennedy
12 / 16

Um polícia não identificado (e, à direita, o coordenador do Texas Theatre) indica o lugar onde Lee Harvey Osvald estava sentado quando foi detido pelo homicídio do agente J. D. Tippit, que o tinha detido para interrogatório 45 minutos depois da morte de J.F. Kennedy

Civis protegem crianças enquanto dois fotógrafos captam imagens da Dealey Plaza instantes depois dos disparos sobre John F. Kennedy. 50 anos depois, turistas fotografam o mesmo local
13 / 16

Civis protegem crianças enquanto dois fotógrafos captam imagens da Dealey Plaza instantes depois dos disparos sobre John F. Kennedy. 50 anos depois, turistas fotografam o mesmo local

JFK e a primeira dama Jacqueline Kennedy Onasis saúdam apoiantes em Dallas, em 1963
14 / 16

JFK e a primeira dama Jacqueline Kennedy Onasis saúdam apoiantes em Dallas, em 1963

A entrada do Parkland Memorial Hospital, em Dallas, com os agentes dos Serviços Secretos e da polícia a examinarem a limusina de Kennedy, na imagem à esquerda
15 / 16

A entrada do Parkland Memorial Hospital, em Dallas, com os agentes dos Serviços Secretos e da polícia a examinarem a limusina de Kennedy, na imagem à esquerda

O quintal de Lee Harvey Osvald, em 1963 e atualmente. Na fotografia de há 50 anos, Osvald empunha uma arma numa mão e jornais comunistas na outra
16 / 16

O quintal de Lee Harvey Osvald, em 1963 e atualmente. Na fotografia de há 50 anos, Osvald empunha uma arma numa mão e jornais comunistas na outra

Turnos de 10 horas que implicam andar dentro do armazém o equivalente a quase 18 quilómetros; Um pedido atendido a cada 33 segundos; Um aparelho que apita quando o funcionário comete um erro. A BBC infiltrou um falso funcionário num armazém da loja online Amazon no Reino Unido, que levou consigo uma câmara oculta. Numa altura em que a empresa emprega 15 mil trabalhadores extra para fazer face ao Natal, o documentário da cadeia britânica oferece uma visão privilegiada a partir do interior do gigante de vendas na Internet.

O "infiltrado" Adam Littler, 23 anos, conseguiu um emprego como "picker", ou seja, coube-lhe a tarefa de recolher os itens pedidos pelos clientes na superfície de 7400 metros quadrados. As instruções chegam através de um aparelho, que indica logo quantos segundos tem o funcionário para encontrar o produto. Se for demasiado lento, a informação chega aos superiores e, segundo o que terá sido transmitido a Littler, nesse caso poderá enfrentar uma ação disciplinar.

"Somos máquinas, somos robôs", conclui o repórter.

Perante as imagens obtidas com a câmara oculta, um dos maiores especialistas britânicos em stress profissional, Michael Marmot, ficou alarmado: "As características deste género de trabalho aumentam o risco de doença mental e física".

A Amazon garante que as inspeções regulares de segurança não detetaram quaisquer motivos para preocupações e que um perito independente considerou que o trabalho de recolher os itens dentro do armazém é semelhante a várias trabalhos noutras empresas e que não aumenta o risco de doenças.