Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A vida do tour

Sociedade

  • 333
A ENTREVISTA DIVIDA POR TEMAS:

AS FOTOS:

Já pensou no dia em que não estará entre os melhores?

Sim. Estou com 32 anos e a idade máxima dos atletas anda por aí... Há exceções, mas a maioria entra nos 30 e começa a ficar cansado, deixa de ter paciência para acordar tão cedo, para treinar tanto...

Está a acontecer consigo?

Não, porque ainda há metas que pretendo atingir. Se terminasse a carreira sem sequer chegar lá perto sentir-me-ia um pouco mal...

Porquê? Nunca nenhum português chegou tão longe no surf profissional e não se vislumbra que alguém venha a consegui-lo, em breve...

Tenho consciência que fiz uma boa carreira. Não considero, de modo algum, que o meu percurso tenha sido falhado, mas sinto que tenho potencial para fazer ainda mais.

Quantos anos conta estar entre a elite?

Pelo menos mais dois ou três.

Sabe o que vai fazer depois?

Não. E isso é um bom sinal. Significa que estou concentrado naquilo que estou a fazer agora. O meu contrato com a Quiksilver dura mais 8 anos. Mesmo que não me qualifique, no próximo ano, não vou perder o patrocínio. Eles quiseram deixar-me à vontade para usufruir um pouco de tudo o que já fiz até hoje e, nesse sentido, sou um sortudo.

Fazer surf pelo mundo e andar por ondas grandes é algo que quero fazer quando deixar de competir. Mas, neste momento, a chama ainda está muito forte.