Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Falsas curas para cancro e autismo florescem em grupos secretos do Facebook

Sociedade

erhui1979/Getty

Uma investigação do Business Insider já levou a rede social a fechar várias contas e a anunciar o fim dos grupos secretos. Afinal, é através deles que passa muita da promoção de “medicamentos” e “tratamentos” alternativos que custam milhares de dólares e não passam de banha da cobra

O início do artigo do Business Insider começa como uma flecha direta ao coração dos leitores. “Mary” telefona a Amanda Mary Jewell, uma britânica que se diz investigadora de cancro, e descreve como está a lutar para aguentar. “A minha mãe tem cancro da mama de estádio 3. Espalhou-se à direita, nos gânglios linfáticos, e está a fazer quimioterapia. É muito angustiante. Vomita e o cabelo começou a cair”, conta.

No mesmo telefonema, a mulher, igualmente britânica, fala também do filho, de seis anos, uma “criança autista não verbal, muito exigente com o que come, muito violenta”. Gerir ambos é complicado. Pede, então, para marcar uma consulta com Jewell e conta que conseguiu o contacto depois de aderir ao seu grupo de Facebook, o GcMAF Oracle, a que acedeu por convite. Espera que a consulta possa levar à cura da sua mãe e do seu filho.

O nome do grupo é uma referência à GcMAF (acrónimo em inglês de Componente de Globulina no Fator de Ativação de Macrófagos), um tipo de proteína que ajuda a reforçar o sistema imunitário e a combater infeções. O jornalista do Business Insider, Tom Porter, lembra que um movimento de medicina alternativa marginal anda há anos a defender que o aumento da quantidade desta substância no corpo pode ajudar a combater doenças incuráveis. Jewell alega que o tratamento com GcMAF é inovador e resulta até para o autismo e o cancro em estádio avançado.

Voltando a “Mary” – Jewell diz-se que conseguirá, com algum malabarismo, espaço na agenda para ver a sua mãe dentro de uma semana. Vai avisando que, além de doses de GcMAF, o tratamento pode envolver uma cirurgia na sua clínica, no Belize, na América Central. E que, excluindo as viagens, ficará tudo por 25 mil dólares (cerca de 22 mil euros).

Uma clínica nas Caraíbas

O nome “Mary” não surge entre aspas no artigo para proteger a sua identidade – foi assim que Emma Delmayne, uma ativista contra a desinformação médica, se apresentou a Amanda Mary Jewell. É verdade que a contactou sob disfarce, mas também é verdade que, no Facebook, Jewell se diz “professora assistente de medicina”, quando não tem qualquer qualificação científica.

Durante anos, a clínica aonde “Mary” iria levar a mãe funcionava em Progresso, uma cidade do distrito de Corozal, no norte do Belize. Chamava-se Flower of Health and Wellbeing Center (à letra, flor da saúde e centro de bem-estar) e nunca esteve registada junto das autoridades médicas do país. No início deste ano, quando os inspetores do Ministério de Saúde disseram a Jewell que consideravam os seus anúncios e a sua clínica problemáticos, ela respondeu que estava de saída do país. Dois dias depois, os mesmos inspetores confirmavam que se fôra embora logo nessa noite.

Era naquela clínica, no Belize, que a própria Jewell injetava os pacientes com GcMAF. Nunca ninguém a viu a realizar qualquer cirurgia, mas no canal de YouTube Healing Oracle havia imagens suas a administrar a substância. Quando falou com “Mary” sobre o preço do tratamento, disse-lhe que ela própria não ganhava nada com isso. “Para mim, o que retiro do que faço é que é maravilhoso.”

Quer público, fechado ou secreto?

Alertado por Emma Delmayne, o jornalista do Business Insider rapidamente concluiu que Jewell não tem sido a única pessoa a aproveitar os grupos secretos do Facebook para espalhar desinformação médica.

Já aqui se escreveu sobre a ligação de milionários como os americanos Lisa e Bernard Selz ao movimento antivacinas. Foi no início do verão, quando o Washington Post revelou que este casal tinha injetado mais de três milhões de dólares no grupo ICAN (Informed Consent Action Network). Uma pequena fortuna que serviu, entre outras ações, para financiar um filme de propaganda disfarçado de documentário e inúmeras palestras sobre a alegada relação entre a vacina contra o sarampo e o autismo.

Afinal, espantou-se, então, o mundo, as redes sociais não eram as maiores culpadas. Porém, agora, à luz daquilo que o Business Insider veio relevar, pelo menos o Facebook tem de ser apontado a dedo por ajudar a disseminar essa e outras mentiras médicas. E ainda por permitir a promoção de pseudomedicamentos e “tratamentos” caríssimos.

Tudo gira à volta dos grupos fechados e da lógica em que funcionam, concluiu Tom Porter, e o Facebook deu-lhe razão. Quando contactado pelo jornalista, a rede social fechou imediatamente uma dúzia de grupos secretos e, entretanto, anunciou que iria repensar o seu sistema de privacidade.

Por enquanto, quando alguém decide criar um grupo no Facebook pode decidir se o mesmo é público, fechado ou secreto. O primeiro é, como diz o nome, público e visível na pesquisa; o segundo é privado, mas qualquer pessoa pode procurar/encontrar o grupo, ver quem administra e pedir para aderir; quanto ao terceiro, apenas os seus membros conseguem encontrá-lo, ou seja, não aparece na pesquisa, portanto só se acede a ele por convite.

Lixívia “milagrosa”

O GcMAF Oracle, grupo criado por Jewell, tinha mais de 7 mil membros e cada um deles pedira para aderir. Não parece muita gente, mas se nos lembramos de que se tratava de um grupo secreto, percebemos melhor o poder que tinha. Lá dentro, qualquer pessoa podia dizer-se médico ou especialista em qualquer coisa e espalhar a mentira.

É suposto os moderadores – como era o caso de Jewell – garantirem o cumprimento das regras de bom comportamento do Facebook. “Mary”/Dalmayne, como membro do GcMAF Oracle (a que pediu para aderir com o propósito de expor a pseudo-especialista em cancro), viu como neste e noutros grupos do género as pessoas podem ser persuadidas a optarem por tratamentos sem eficácia comprovada. “Estão a permitir que as pessoas virem as costas a tratamentos com provas dadas e a irem com charlatães, e dão-lhes uma plataforma”, disse sobre o Facebook. “Estão a deixar que as pessoas morram.”

O Business Insider dá mais alguns exemplos de substâncias promovidas como medicamentos em grupos secretos no Facebook. É o caso da chamada Miracle Mineral Solution (MMS), uma suposta cura mineral e milagrosa para o autismo que não passa de uma lixívia tóxica. Em março deste ano, o site de notícias já relatara histórias de pais que partilhavam na rede social imagens de filhos com lesões causadas pela MMS, vendida através do Messenger.

Agora, na sequência da investigação de Tom Porter, os responsáveis do Facebook decidiram finalmente fechar grupos que promoviam as duas substâncias, bem como outros ligados ao movimento antivacinas e páginas pessoais dos seus criadores. E triplicou a equipa de segurança e proteção da rede social para 30 mil pessoas. Mas enquanto for possível criar grupos secretos, dificilmente se livram dos charlatães.