Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Há cada vez mais vegansexuais - vegans que não se envolvem sexualmente com pessoas que comem carne

Sociedade

Juj Winn/Getty

Os vegans que só dormem com vegans existem – e a tendência é no futuro eles existirem ainda em maior número. “Um ambientalista também não se envolveria com um explorador de uma mina de carvão, pois não?”, compara-se

Rosa Ruela

Rosa Ruela

Jornalista

Se para um anti-tabagista beijar um fumador é como lamber um cinzeiro, para um vegan o corpo de alguém que come carne pode ser igualzinho a um cemitério.

Antes que o caro leitor nos culpe pelo fator-blhec da comparação, saiba que ela não é nossa. Saiu da boca de uma neozelandesa, durante um estudo sobre o consumo livre de crueldade, conduzido pela investigadora Annie Potts, doutorada em Filosofia e co-diretora do Centro Neozelandês de Estudos Humano-Animais da Universidade de Canterbury.

“Não gostava de ter intimidade com alguém cujo corpo é literalmente feito de corpos de outros seres que morreram para o sustentar”, justificou, então, a mesma habitante de Christchurch, no sul da Nova Zelândia. “Mesmo que eu achasse a pessoa muito atraente, não ia gostar de me aproximar dela se o seu corpo fosse derivado de carne”, continuou. “Os corpos das pessoas que não são vegan têm um cheiro diferente, mas para mim é sobretudo uma questão de ética sexual.”

Esta mulher, de 41 anos, era claramente uma vegansexual quando foi entrevistada por Annie Potts, durante o estudo Consumo Livre de Crueldade na Nova Zelândia: um relatório nacional sobre as perspetivas e experiências de vegetarianos e outros consumidores éticos, cujos resultados publicou em maio de 2007. E já nessa altura ela não estava sozinha. A especialista encontrou tantos vegans que se disseram incapazes de ter relações íntimas com comedores de carne que não hesitou em inventar o termo “vegansexuais”.

Entre os 157 participantes no seu estudo (120 deles mulheres), a maioria (63%) afirmou que tinha ou desejava ter um parceiro que também estivesse preocupado com os animais. Uma vegan de 21 anos admitiu mesmo estar naquele preciso momento a considerar deixar o namorado que não partilhava do seu ponto de vista. “Estamos a tentar acertar o passo”, contava, “mas não sei se vamos conseguir.”

A falta de “compreensão” dos não-vegans seria apontada como um “problema” por vários outros participantes. “É mais simples dizer que um ambientalista não se envolveria com um explorador de uma mina de carvão”, lembraria, a propósito, uma vegan inglesa, citada anos mais tarde numa reportagem da Vice. “Há muito mais gente a conseguir perceber esse conceito. Quando se trata de dieta e animais, parece que as coisas ficam muito confusas.”

Regressando ao estudo de Annie Potts, as suas perguntas variavam entre comer ou não carne, ter animais de estimação em casa, usar pêlo de opossum e, sim, ter “relações sexuais livres de crueldade” – ou seja, “recusar pessoas que comem carne como parceiros íntimos”. Uma mulher de 49 anos, de Auckland, confessou não conseguir sequer pensar em beijar lábios que “permitem que pedaços de animais mortos passem entre eles”. E lá voltámos nós à metáfora do beijo e do cinzeiro.

Falta acrescentar que, tantos anos depois, o número de vegans que procuram vegans para amizade ou algo mais não tem parado de crescer. Foi isso mesmo que concluíram recentemente os responsáveis do site britânico da SpeedDater, empresa que organiza “encontros rápidos” desde 2002. Ao encontro que promoveram este ano direcionados para eles, 56% dos vegetarianos e vegans responderam que dispensariam conhecer um comedor de carne.

É essa também a perceção de Robb Masters, membro da Vegan Society, que dirige o grupo London Vegan Meetup. Desde 2011, ano em que este consultor que se diz “vocacionado” para o veganismo avançou com a sua criação, viu o número de membros passar de 750 para mais de oito mil. “Mais do que tem a própria Vegan Society”, lembra, no site desta organização fundada em 1944, no Reino Unido.

Por estes dias a procura é tanta que Robb Masters promove uma dúzia de encontros por mês. Quem estiver a planear uma ida a Londres, é espreitar na página de Facebook do London Vegan Meetup e começar a fazer cruzes na agenda.