Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"Pessoas encantadoras, continuem com as vossas rotinas": cartel mexicano faz 19 vítimas e pendura 9 delas numa ponte

Sociedade

HECTOR GUERRERO/ Getty Images

Um cartel mexicano tirou a vida a dezanove pessoas e deixou os corpos de nove delas pendurados numa ponte semi nus, e com uma mensagem assinada onde diziam: "Pessoas encantadoras, continuem com as vossas rotinas"

Foram descobertos 19 cadáveres mutilados - nove deles pendurados semi nus numa ponte - na cidade de Uruapan, a oeste da Cidade do México. A autoria do massacre foi reivindicada pelo cartel Jalisco New Generation, que deixou uma bandeira branca ao lado dos corpos pendurados. Além dos pendurados, outros 10 corpos desmembrados e cheios de balas foram descobertos abandonados em dois locais próximos. "Pessoas encantadoras, continuem com as vossas rotinas", podia ler-se na bandeira, por baixo das iniciais do grupo, CJNG, escritas a vermelho.

O procurador-geral do estado de Michoacán, Adrián López Solís, atribui as mortes a um confronto entre cartéis rivais que lutam pelo controlo do comércio de drogas na região. Falko Ernst, investigador do Grupo Internacional de Crise, que estuda os cartéis do México, concorda que o massacre teve o objetivo claro de intimidar grupos criminosos rivais, as suas famílias e até as autoridades mexicanas.

Neste momento, existem três grupos a competir para controlar a cidade: o CJNG, o cartel dos cavaleiros templários e Las Viagras (que pertencem a uma organização chamada Nueva Familia Michoacana). O CJNG é particularmente conhecido pelas suas demonstrações públicas de força, com o objetivo de desafiar as autoridades. Em maio, surgiram imagens dos membros do cartel, armados, a desfilar por Zamora, outra cidade de Michoacán, em carros pintados com a sua insígnia. O grupo foi nesse mesmo dia responsabilizado por um tiroteio que matou quatro polícias.

Contudo, segundo Ernst, esta luta comercial entre cartéis não é apenas para dominar o tráfico local de drogas, mas também a indústria de abacate da região, que vale milhões de dólares. “O grande 'íman' aqui é o abacate”, afirma.

Há bastante tempo que a cidade de Uruapan sofre com as rixas entre cartéis. Em 2006, cinco cabeças foram atiradas para a pista de dança de uma discoteca — um ataque que desencadeou a catastrófica guerra de seis anos do presidente Felipe Calderón contra as drogas. Esta extensa operação contra o narcotráfico acabou por fracassar, resultando apenas num custo de vidas sem precedentes. Desde aí que o número de homicídios sobe anos após ano. Em 2018, o México atingiu o número recorde de 35.964 pessoas assassinadas.

Andrés Manuel López Obrador foi eleito presidente do México em dezembro, graças a uma campanha contra a criminalidade no país. Obrador já criou uma nova força de segurança chamada “Guarda Nacional” e atribuiu bolsas de estudo para adolescentes desfavorecidos, numa tentativa de impedir que se juntem aos cartéis. No entanto, desde que assumiu a presidência, já foram registados 17.608 homicídios.

ASSINE POR UM ANO A VISÃO, VISÃO JÚNIOR, JL, EXAME OU EXAME INFORMÁTICA E OFERECEMOS-LHE 6 MESES GRÁTIS, NA VERSÃO IMPRESSA E/OU DIGITAL. Saiba mais aqui.