Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O memorando que se tornou viral na Google

Sociedade

Getty Images

"Não vou voltar à Google depois da minha licença de maternidade e aqui está o porquê" é o título do memorando interno em que uma funcionária diz ter sido vítima de discriminação e retaliação por ter engravidado e que se tornou viral dentro da companhia

Publicado na semana passada, o memorando, adianta a Motherboard, já foi visto por mais de 10 mil funcionários da Google.

A empresa também já reagiu, sublinhando que proíbe a retaliação, que dá a todos os colaboradores vários canais para reportar qualquer abuso e que investiga todas as alegações.

"Nós proibimos a retaliação no local de trabalho e tornamos pública a nossa política muito clara. Para garantir que nenhuma queixa fica sem resposta, damos aos funcionários múltiplos canais para reportarem as suas preocupações, incluindo de forma anónima e investigamos todas as alegações de retaliação", lê-se no comunicado.

Apesar da resposta da companhia, têm-se multiplicado os memes num fórum interno a apoiar a autora do texto e a lamentar a forma como os recursos humanos da Google lidaram com a situação.

A Motherboard adianta que verificou a autenticidade do memorando, publicado originalmente num fórum de grávidas e recém-mães, mas não as alegações em si.

O texto começa com a funcionária a relatar que fez queixa do seu superior por fazer, alegadamente, comentários depreciativos sobre uma colega grávida e sobre os efeitos da gestação no seu desempenho. Os recursos humanos da Google então, garantido à funcionária que a queixa não levaria a qualquer retaliação, o que não terá sido o caso, seguindo-se vários episódios nesse sentido.

O memorando termina com a autora a explicar que a sua avaliação, depois de quatro meses da sua própria licença de maternidade, foi "precisa melhorar".

ASSINE POR UM ANO A VISÃO, VISÃO JÚNIOR, JL, EXAME OU EXAME INFORMÁTICA E OFERECEMOS-LHE 6 MESES GRÁTIS, NA VERSÃO IMPRESSA E/OU DIGITAL. Saiba mais aqui.