Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Netflix vai reduzir as cenas de fumadores nas suas séries originais

Sociedade

SOPA Images/Getty

As cenas de fumadores são cada vez mais e estão a banalizar a prática perante os mais novos. Estas acusações de uma organização anti-tabaco vêm acompanhadas de um estudo sobre as séries mais populares da Netflix. E já obrigaram a empresa a reagir

“Fumar em televisão passou de comum para quase inevitável” afirma o mais recente estudo da Truth Initiave, uma organização americana dedicada a reduzir o consumo de tabaco entre a população. Os resultados, que incidiam sobretudo nos programas produzidos pela Netflix, pressionaram a empresa a rever os guiões das próximas temporadas.

Num comunicado a que a BBC teve acesso, a Neflix afirma que, muitas vezes, a imagem de alguém a fumar “é essencial para a visão criativa do artista e para a definição da personagem”, acrescentando que, em programas juvenis, só é justificável “por razões históricas ou factuais”. Ainda assim, a empresa admite que a representação sucessiva de fumadores pode influenciar os espectadores e criar nos jovens a ideia de que é inofensivo.

O estudo analisa uma amostra de seis séries originais da Netflix (entre elas estão Orange is the New Black, Stranger Things e House of Cards) em comparação com sete séries do cabo, populares nos Estados Unidos, como Teoria do Big Bang, The Walking Dead e Uma Família Muito Moderna.

Cerca de 90% das séries analisadas contêm cenas em que o tabaco aparece no ecrã, percentagem que aumentou de 2015 para 2017. A séries da Netflix são, ainda assim, mais perigosas, pois revelam números mais expressivos relativamente à frequência com que aparecem fumadores. Foram contadas 866 cenas de tabaco nas séries da Netflix, contra as 343 das séries do cabo.

A Truth Initiave pede assim uma maior consciência às produtoras de televisão, tendo em conta que, apesar das campanhas, cada vez mais jovens estão em contacto com imagens de tabaco. As cenas de fumadores devem ser evitadas, “a menos que a representação reflita inequivocamente os perigos e consequências do uso do tabaco, ou represente o uso de tabaco de uma pessoa real, como num drama biográfico ou documentário”.

Em Portugal, o tabaco mata mais de 11 mil pessoas por ano e a idade média de início de consumo é os 16 anos. Estes são os últimos dados disponíveis pela Direção-Geral de Saúde no relatório “Portugal – Prevenção e Controlo do Tabagismo 2017”.