Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Períodos curtos de exercício físico intenso não são só bons para a saúde. Podem torná-lo mais inteligente

Sociedade

Getty Images

Além dos benefícios já conhecidos, neurocientistas americanos concluiram que uma breve sessão de exercício físico intenso também desenvolve a região do cérebro ligada à memória e à aprendizagem

Um estudo realizado da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon, nos Estados Unidos, demonstrou que sessões curtas mas intensas de exercício físico estão diretamente relacionadas com a eficácia da função do nosso cérebro ligada à aprendizagem e à memória.

A experiência foi realizada em ratos, cuja atividade cerebral foi medida enquanto os mesmos corriam numa roda. À medida que se exercitavam, o cérebro recebia impulsões num gene específico que até então fora pouco explorado pela comunidade científica. A ativação desse gene através da exercitação do corpo promove um reação no cérebro que, numa última fase, melhora a nossa capacidade de memorizar e aprender novas faculdades.

Um dos investigadores responsáveis pelo estudo explica que, até então, a grande maioria da pesquisa relacionada com os efeitos do exercício físico tinha em conta o impacto no corpo a nível global. “Como neurocientistas, não é que não nos preocupemos com os benefícios para o coração ou para os músculos, mas queríamos saber os benefícios do exercício em específico no cérebro” esclarece Gary Westbrook.

A investigação foi publicada no final de junho deste ano na revista científica online eLife.

Segundo os últimos dados conhecidos sobre os hábitos de prática desportiva, 74% dos portugueses com mais de 15 anos não pratica desporto com regularidade (números do Eurobarómetro, no relatório sobre o ano 2017).