Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Alerta: como os "hackers" podem estragar as suas férias

Sociedade

Ian.CuiYi / Getty Images

Mais de oito mil ataques de phishing através de sites falsos que imitam na perfeição, por exemplo, o do Airbnb? E tudo isso apenas em um mês? Que se cuide quem ainda procura soluções de última hora para as férias

Os investigadores da Kaspersky, multinacional russa produtora de softwares de segurança para a Internet, ficaram estupefactos. Detetaram recentemente, em apenas um mês, mais de oito mil ataques de phishing através de páginas falsas que imitavam com alto grau de sofisticação sites populares de reservas de alojamento de curta duração, como o Airbnb, o qual foi alvo, naquele período, de 7 917 investidas de piratas informáticos. Num destes ataques, os hackers criaram uma página de phishing que se assemelhava à plataforma legal e ofereciam às vítimas alojamentos a preços muito baixos, no centro da cidade, com avaliações elevadas. Assim que uma das vítimas confirmou a reserva e transferiu o dinheiro, os hackers e a oferta desapareceram...

O alerta é agora especialmente dirigido a quem ainda procura soluções de última hora para as férias e por isso pode estar mais vulnerável a armadilhas ruinosas tecidas pelos piratas informáticos. Todo o cuidado é pouco: num só dia, os investigadores da Kaspersky dizem ter detetado sete emails diferentes, disfarçados de ofertas de plataformas populares de reservas de bilhetes de avião e de alojamento. Três daqueles emails pareciam oferecer voos gratuitos, em troca do preenchimento de um pequeno questionário online e da partilha do link com outras pessoas. Após responderem a três perguntas, foi solicitado aos utilizadores que escrevessem o seu número de telefone. E os hackers usaram esse número para inscrever as vítimas em serviços de telefone pagos.

Os especialistas avisam que os hackers "manipulam e exploram o comportamento humano, como a confiança nas marcas, num processo conhecido como 'engenharia social'". E as campanhas que os piratas informáticos engendram são, com frequência, muito convincentes: utilizam sites falsos, quase idênticos à versão legal, que "facilmente fazem as vítimas colocar os detalhes do seu cartão bancário, levando-as a pagar por um produto ou serviço que não existe".

Que cuidados tomar, então? "As pessoas devem utilizar apenas sites legais para reservar bilhetes e alojamentos, de forma a garantir que estão protegidas por uma solução de segurança com um filtro de spam e phishing forte, capaz de detetar abordagens fraudulentas, antes de chegarem até nós", diz Alfonso Ramírez, diretor-geral da Kaspersky Ibéria.