Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Auditoria desvenda mais de 1 milhão de euros gastos com funcionários públicos "fantasma" em França

Sociedade

Alexander Demianchuk/ Getty Images

Segundo os números divulgados pelo relatório de uma auditoria, os contribuintes gastaram 1.2 milhões de euros com salários de "funcionários fantasma", durante mais de 25 anos. A notícia está a chocar os franceses, mas já não é a primeira vez que isto acontece

O relatório de um gabinete de auditoria, divulgado pelo jornal local Var-Matin, revelou que 30 funcionários públicos foram pagos, durante mais de 25 anos, sem trabalharem.

Depois dos serviços de abastecimento de água da cidade de Toulon serem privatizados, cerca de 30 funcionários ficaram sem emprego, mas continuaram a receber. No total, as três dezenas de trabalhadores representaram uma despesa para o estado de 1.4 milhões de dólares (1.2 milhões de euros). Entre eles, um assistente administrativo que encontrou trabalho como gestor, no setor privado, e durante oito anos continuou a receber o seu salário de funcionário público. Outros beneficiaram de promoções automáticas e aumentos salariais baseados na antiguidade de serviço.

O gabinete de auditoria constatou que o centro responsável pelos funcionários "fantasmas" "tinha pouca motivação para lhes encontrar novos empregos" porque, desde que apresentasse um défice, a maior parte dos seus salários continuaria a ser subsidiada pelas autoridades locais, que os tinham inicialmente contratado. "A previsão orçamental do centro em questão é apresentada com um défice anual, de modo a desencadear uma disposição legal específica, que permite continuar a financiar a remuneração do pessoal sem emprego", refere o relatório.

"É, no mínimo, lamentável, que a cidade não tenha sido capaz de encontrar novos empregos para alguns desses funcionários, especialmente para os mais jovens", diz ainda.

Este documento tornou-se público depois de o presidente francês Emmanuel Macron, prometer eliminar 120 mil empregos na função pública, como parte de um esforço orçamental para reduzir em 60 mil milhões de euros os gastos públicos.

Surpreendentemente, este não é o primeiro caso de funcionários públicos franceses a receberem salários indevidamente. Em 2016, foi revelado que um trabalhador recebeu quase 4 mil euros mensais durante 10 anos, sem nunca trabalhar. Também a ferroviária SNCF, uma empresa pública, pagou mais de 5 mil euros por mês durante 12 anos, a um gerente que já não trabalhava.

Além disso, um inquérito do Ministério da Economia, realizado há dois meses, concluiu que mais de 300 mil funcionários públicos não cumprem as 35 horas de trabalho semanais obrigatórias.

CONHEÇA A NOVA EDIÇÃO DIGITAL DA VISÃO. LEIA GRÁTIS E TENHA ACESSO A JORNALISMO INDEPENDENTE E DE QUALIDADE AQUI