Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Rapariga de 16 anos suicida-se depois de uma sondagem no Instagram entre a vida e a morte

Sociedade

Towfiqu Photography/ Getty Images

As autoridades da Malásia estão a investigar o caso de uma adolescente encontrada morta depois de ter criado uma sondagem a pedir aos seguidores que escolhessem entre a vida ou a morte

"Mesmo importante, ajudem-me a escolher: M/V", escreveu a jovem de 16 anos, na segunda-feira, no Instagram, numa sondagem em que pedia aos seus seguidores que escolhessem entre as iniciais de vida e morte. Horas mais tarde, quando a hipótese "morte" correspondia a 69% das respostas, segundo Aidil Bolhassan, chefe da polícia local, a adolescente saltou de um telhado de um edifício do estado malaio de Sarawak.

O Instagram garante, no entanto, que quando a sondagem terminou, 24 horas depois, a opção "vida" ganhava com 88 por cento.

A morte da jovem, que tinha um historial de depressão, tem provocado uma série de reações na Malásia, com vários políticos a alertarem que não deve ser tratada como um caso isolado e outros a pedirem que se leve a saúde mental mais a sério.

"A rapariga ainda estaria viva hoje se a maioria dos internautas da sua conta de Instagram a tivesse desencorajado de acabar com a própria vida? Será que o encorajamento desses internautas influenciou realmente a sua decisão de acabar com a vida?", questiona-se, no Facebook, por exemplo, o deputado e advogado Ramkarpal Singh.

Wong Ching Yee, responsável pela comunicação do Instagram para a Ásia-Pacífico, pede aos utilizadores que contactem imediatamente os serviços de emergência "se virem algum comportamento que ponha a segurança das pessoas em risco".

Em fevereiro deste ano, a rede social anunciou que decidiu proibir imagens de lesões autoinfligidas para ajudar a combater a automutilação e o suicídio. A plataforma de partilha de fotografias, que anteriormente proibia qualquer publicação que encorajasse ou promovesse o suicídio ou automutilação, passou, desde então, a remover “imagens violentas e explícitas de cortes autoinfligidos”.

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal