Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Programador de jogos russo comprou manuais de F-16 no eBay e agora pode acabar condenado a 10 anos de prisão nos EUA

Sociedade

Ethan Miller/ Getty Images

Oleg Tishchenko trabalha numa empresa de simuladores virtuais e estava a trabalhar num jogo sobre o avião caça F-16. Para se informar mais sobre o modelo, comprou um manual online. Os EUA estão a acusá-lo de conspiração contra o governo e querem condená-lo a 10 anos de cadeia

Há 15 anos que Oleg Tishchenko, um programador de jogos russo, trabalha na empresa Eagle Dynamics, especialista em simuladores de aviação, e não é raro comprar online manuais e documentos de vários modelos de aviões para o ajudar na sua tarefa. Só que uma das suas últimas compras pode-lhe custar mais do que dinheiro.

Depois de ter comprado um manual sobre o avião militar F-16, o russo, que se encontra atualmente detido numa prisão do Utah, está a ser acusado de cinco crimes, incluindo contrabando e violação da lei de controlo de exportação de armas e conspiração contra os Estados Unidos, algo que lhe pode valer 10 anos de prisão,

Tishchenko defende-se destas acusações afirmando que os manuais eram apenas para se instruir de forma a ter capacidades para criar um simulador ultrarrealista desta aeronave.

A acusação descreve que o homem pediu ajuda num fórum online da Digital Combat Simulator para receber o manual que comprou no eBay, uma vez que o vendedor apenas permitia entregas dentro dos Estados Unidos.

Apesar de vários utilizadores do site terem avisado que o que Tishchenko estava a fazer era ilegal, este levou a compra adiante, com a ajuda de Kenneth Edward Sullivan, um membro americano do fórum que concordou em ajudá-lo.

A compra deu-se por concluída em 29 de junho de 2011 e Sullivan enviou o manual para Moscovo em 25 de outubro do mesmo ano. Contudo, o americano, já nessa altura, se mostrava preocupado com a possibilidade de ter infringido a lei. “Se eu for preso, alguém pode enviar-me uma serra?”, escreveu no mesmo fórum.

A acusação contra Tishchenko data de 2016, mas só foi preso e extraditado este ano, quando viajou para a Geórgia.

A embaixada russa em Washington sugeriu que Tishchenko pode ter sido “deliberadamente tramado” pelas autoridades americanas, prometendo que vai tomar todas as necessidades necessárias para garantir os direiros legais do homem.

Sullivan chegou a acordo com a justiça e viu retiradas todas as condições.

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal