Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vídeo de criança afegã a dançar com uma prótese no lugar da perna torna-se viral

Sociedade

Um vídeo que mostra uma criança afegã de cinco anos a dançar depois de receber uma prótese tornou-se viral. Já foi visto quase um milhão de vezes no Twitter

Ahmad Rahman tinha apenas oito meses quando ele e a sua irmã se viram no meio de um conflito que irrompeu na sua aldeia na província de Logar entre as forças governamentais do Afeganistão e os Talibãs locais.

Ambos acabaram feridos e Rahman alvejado na perna, que, mais tarde, teve de ser amputada.

Agora, quatro anos depois, foi publicado na internet um vídeo do jovem feliz com a sua nova prótese a dançar enquanto é aplaudido por enfermeiros e médicos.

As filmagens, captadas pelo fisioterapeuta Mulkara Rahimi do Comité Internacional da Cruz Vermelha do Kabul, e publicadas no Facebook da organização humanitária foram vistas mais de 12 mil vezes nas primeiras 12 horas da publicação.

No post podia ler-se: “Ahmad Rahman perdeu a sua perna num campo de minas na província de Logar quando tinha apenas 8 meses. Depois de receber um membro artificial no nosso centro ortopédica, ele expressou a sua emoção com uma dança e um sorriso no seu rosto.”

Desde a sua publicação, o vídeo tornou-se viral sendo que já foi visto mais de 950 mil vezes no Twitter,

Alberto Cairo, diretor do centro, disse ao Washington Post que este vídeo ajudou as pessoas a perceber o trabalho desenvolvido por estes profissionais que já registou mais de 178 mil pacientes.

Apesar de todas as pessoas que já ajudamos, não estamos nem perto de ajudar todas as pessoas com necessidades”, podia ler-se numa declaração.

Atualmente, a família de Ahmad vive numa aldeia pobre que fica algumas horas afastada do hospital de Cabul.

A sua mãe, Raesa, disse também ao Washington Post que o seu marido está demasiado doente para trabalhar e que, apesar da grande distância, ela leva o seu filho ao Posto da Cruz Vermelha para ser assistido.

“Eu quero que ele vá para a escola e se torne num doutor ou num professor. Eu estou muito feliz, ele é um rapaz muito bom.”

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal